sexta-feira, 24 de abril de 2015

Símbolos de resistência

A resistência tem um preço, mas  pode tornar-se um cartaz turístico, ou um negócio. Ora veja como. AQUI

A greve da TAP

Se ainda não me pronunciei sobre a greve dos pilotos da TAP, é porque não tenho mais nada a acrescentar ao que escrevi em 2010:
Chamem-me o que quiserem, mas não posso deixar de dizer isto: a legislação que permite a classes privilegiadas organizar-se em sindicatos para boicotar e destruir uma empresa, equivale a oferecer uma arma a um bandido que pretende assaltar um banco. Há certas classes profissionais a quem o sindicalismo deveria estar vedado. Urge alterar a legislação e proceder à higienização da democracia que o ultraliberalismo selvagem reduziu a um conceito balofo. A greve da TAP não é luta de trabalhadores. É luta de um grupo de privilegiados que conspurcam a democracia, aproveitando de forma ignóbil ( e oportunista)os mecanismos que ela criou para defender os mais desfavorecidos.

Sobre os limites à liberdade de expressão

Pai, quais  são os limites à liberdade de expressão?

( Pai, depois de uma pausa)
Olha, meu filho. O pai do Tóino  bate na mãe dele porque é muito ciumento, mete-se  nos copos e nas drogas e depois não sabe o que faz. Aqui na rua todos o acusam de violência doméstica, não é? E um jornal até escreveu que o pai do Tóino era um animal. Lembras-te?

Lembro.

Pronto, isso é liberdade de expressão. 
Mas imagina tu que um dia o pai do Tóino chega a pm. Achas que alguém aqui na rua vai continuar acusá-lo de violência doméstica ou algum jornal vai escrever que ele é um animal?

Não.

Pois. A liberdade de expressão é isso mesmo. Depois de ser pm o pai do Tóino continua a ser aquele tipo que batia na mulher mas ninguém o acusa disso, porque tem medo de represálias. Entendes?

O benefício da dúvida

António Costa  reduziu o passivo da Câmara  de forma substancial;
Aplica uma das taxas de IMI mais baixas dos país;
Devolve aos munícipes uma fatia substancial do IRS; 
Paga a pronto aos fornecedores;
Não descura a vertente social...
Não merece o benefício da dúvida quando apresenta ao país um conjunto de propostas que visam aliviar a austeridade das famílias e tirá-las da pobreza extrema? 
Não percebo nada de economia, mas leio as opiniões de quem sabe e em cuja seriedade intelectual confio. E o que tenho lido reforça ainda mais a minha convicção de que António Costa merece o benefício da dúvida.