segunda-feira, 13 de abril de 2015

Dou-te um beijo...

Dizem-me que hoje é Dia Mundial do Beijo. Embora o dia esteja a terminar, sugiro que comemorem com esta especialidade de Tomar.

Mas se  não lhe agrada a sugestão, ou pensa que o "Beija-me Depressa" precisa de um acompanhamento adequado, então sugiro-lhe que faça esta experiência.

Como sobrevivi à dieta da maçã

Desde a manhã de sexta-feira  até à meia noite de domingo  não li jornais, não vi nem ouvi noticiários e pela Internet passei menos de 15 minutos, mas só pelo FB.
Foi uma espécie de dieta da maçã aplicada ao cérebro.Incrivelmente, sobrevivi!
Quando regressei a casa liguei o televisor para ver os telejornais da meia noite. 
Notícia de abertura para o aperto de mão entre Obama e Raúl Castro. Em rodapé o ecrã exibia a seguinte mensagem: 
"Aumenta a contestação a Dilma. Brasileiros saem à rua em 44 cidades e em algumas cidades europeias"
A coisa está séria, pensei. Fiquei à espera para ver o desenvolvimento. Depois de  gramar os resumos futebolísticos da jornada, finalmente veio a notícia sobre os protestos no Brasil: 
"Mais de 100 mil pessoas saíram à rua no Brasil para protestar contra o governo de Dilma Rousseff. Em S. Paulo foram cerca de 7 mil pessoas"
Estava eu a pensar nada mau para uma cidade com 20  milhões de habitantes, quando no ecrã passam imagens sobre os protestos em Lisboa. 
Pouco mais de duas dezenas de pessoas protestaram hoje em Lisboa contra o governo de Dilma Rousseff.
Apesar de serem poucos, tiveram mais tempo de antena do que algumas manifestações de milhares em Portugal, que as televisões reduzem a dezenas ou centenas.
Pudesse eu e voltava à dieta da maçã durante mais uns dias.
Em tempo: Esta manhã,  o avatar do Blasfémias  dizia que os manifestantes foram 700 mil em 215 cidades ( ainda assim muito inferior à manif de mais 1 milhão de Setembro de 2012 em Portugal) e em Lisboa cerca de 30. 

É só ligar a 1,2,3




Era uma vez um jornalista  que, depois de papar uns almoços a Passos Coelho e verter nas páginas do jornal onde trabalhava grandes elogios a tão sinistra figura, foi convidado para um gabinete ministerial como técnico especialista.
O ministro caiu e, vendo-se o  técnico especialista no desemprego, passou a intitular-se consultor de comunicação.
E o que consulta agora o ex-jornalista e ex -especialista? - perguntarão vocês.
Nada. Népia. Puto. Porra nenhuma.
A sua tarefa é servir de correia de transmissão do governo sob a capa de consultor de comunicação.
Nessa qualidade, vai fazendo uns servicinhos ao governo. O mais recente é atacar de forma soez e torpe o presumível candidato Sampaio da Nóvoa, presumivelmente apoiado pelo PS, por causa do chumbo de Saldanha Sanches na prova de agregação.
Revelando profunda ignorância, acusa Sampaio da Nóvoa- presidente do júri- de se ter calado e não ter impedido a reprovação e eventuais achincalhamentos de que Saldanha Sanches terá sido alvo. Bastava-lhe ter uma réstea de respeito pela sua ex-profissão de jornalista para não usar como fonte um artigo de jornal, versando matéria que ele não domina, para saber as limitações das competências de um presidente de juri. Mas como tinha de fazer o servicinho para justificar o salário, atamancou discurso indignado e canalha, esqueceu a deontologia e zarpou para o computador a zurzir em Sampaio da Nóvoa.  Saiu-lhe mal a encomenda, mas isso agora não interessa nada. 
Importante é salientar esta capacidade do governo: consegue fazer com que um  Zé Ninguém pouco vendável se adapte  às circunstâncias de cada momento, transformando-o num idiota útil. É só ligar a 1,2,3.