segunda-feira, 2 de março de 2015

Passos Coelho enganou-se na porta!

Passos Coelho não pagou IRS, porque não se lembra de ter recebido mil contos por mês, durante anos, quando era deputado e consultor ( ou outro cargo de engonhanço com um título qualquer) da Tecnoforma , nem da ONG fantoche de que faziam parte uma série de figuras do PSD, seus padrinhos e amigos, que juram não saber que tinham feito parte do gangue.
Passos Coelho não pagou a Segurança Social porque, garante, pensava que o pagamento era facultativo.
Passos Coelho deixa-se pressionar pelos jornalistas. Segundo o próprio, pagou uma dívida prescrita, por pressão do"senhor jornalista".
Passos Coelho não vê razões para se demitir, porque só as pessoas honestas se demitem quando são apanhadas a escarnecer de um povo.
Passos Coelho é um malabarista. Inventou acções de formação profissional para profissões inexistentes, para que a empresa que dirigia arrecadasse dinheiros comunitários.
Passos Coelho é desmiolado. Se nem sequer consegue lembrar-se se exercia o cargo de deputado em regime de exclusividade, como é que se pode lembrar daqui a uns anos, que foi PM? 
Passos Coelho é um mentiroso compulsivo, como ficou demonstrado nas contradições  entre as promessas eleitorais e a prática governativa.
Passos Coelho  nunca assume as suas culpas. Não é por ser cobarde. É porque a vitimização faz parte da sua personalidade.
Passos Coelho sofre de síndrome de Estocolmo. Por isso se apaixonou pela Alemanha, que condenou o país a um longo período de miséria.

Uma vez que Passos Coelho  sofre de perdas de memória , desconhece em absoluto os mais elementares deveres de cidadão, é pressionável pelos jornalistas, é mentiroso,  gosta de se vitimizar, sofre de síndrome de Estocolmo e anda há anos a tentar convencer-nos que é um tipo honesto, creio que  se enganou na porta, quando se candidatou a primeiro ministro. Em vez de se candidatar a S. Bento,devia ter-se candidatado a um tratamento numa  clínica psiquiátrica. 

Mas não é tudo. 
PPC já sabia da dívida desde 2012, mas diz que não invocou a prescrição para que não o acusassem de estar a querer tirar benefícios pelo facto de ser primeiro ministro. Balelas! Passos não quis foi levantar ondas e esperava passar entre os pingos da chuva como qualquer caloteirozeco de merda que está sempre à espera que o credor se esqueça ou lhe perdoe a dívida.
Passos foi eleito com a imagem de  homem sério que 2vendeu2 na comunicação social. Hoje, essa imagem faz parte da ficção mas Passos Coelho confia, provavelmente com razão, na falta de memória dos tugas para ficar mais quatro anos a viver à conta dos papalvos dos portugueses. 

Em tempo: Para que não restem dúvidas sobre a seriedade e honestidade de Passos Coelho, leia-se o que ele disse na AR em Outubro de 2012: "pertenço a uma raça de homens que paga o que deve". Só lhe faltou acrescentar: desde que o dinheiro não seja meu!

A cereja no topo do bolo




Marcelo pergunta como é que Passos pagou uma dívida "inexistente". O Pedro da Vespa diz que Passos Coelho foi vítima de um erro do Estado. Não tarda nada, devolve-lhe o dinheiro e ainda lhe paga juros e apresenta um pedido de desculpas.
Finalmente, a cereja no topo do bolo:  só falta que no 10 de Junho Cavaco, habituado a condecorar corruptos, vigaristas e caloteiros condecore o pm, invocando a governação de excelência, pautada pela seriedade e cumprimento do dever, sempre em defesa do interesse nacional.

Para começar a semana com boa disposição


Às vezes os alemães até conseguem parecer bem humorados