quarta-feira, 11 de fevereiro de 2015

A falta de memória de Cavaco Silva

Cavaco Silva de vez em quando abre a boca. Mais uma vez, não entrou mosca, mas bem podia ter entrado uma fatia de bolo rei, um desentupidor de sanitas, ou uns comprimidos para avivarem a memória. Qualquer coisa que sirva para lhe tapar a boca é de enorme utilidade, pois o homem fala quando devia estar calado e cala-se quando tinha a obrigação de falar.
Cavaco afiança que muitos milhões de euros saíram dos bolsos dos portugueses para a Grécia. Não sei se é verdade e já li artigos garantindo mesmo que é uma rotunda mentira.
Agora o que sei- mas Cavaco esqueceu- é que também já saíram dos bolsos dos portugueses muitos milhões de euros para pagar as vigarices dos amigos que ele levou para o governo, sendo que uma pequena parte foi parar ao seu bolso, por via de umas acçõezitas muito lucrativas, "oferecidas" por Oliveira e Costa.
Sobre isso, Cavaco não disse nem uma palavra. Como também se terá esquecido que os portugueses desembolsam anualmente alguns milhões para pagar um cargo que ele não exerce com decoro.  Um desperdício de dinheiro que teria sido gasto com mais proveito no combate à pobreza e não no dispêndio de um consumo  supérfluo que é  ter de alimentar,em Belém, um pastor alemão.

Como desceu o número de desempregados?

Enquanto tomo o café matinal, espreito as notícias no televisor. Em rodapé, pode ler-se: desceu o número de desempregados.
Ao meu lado, alguém comenta:
Ai desceu, desceu… muitos desempregados desceram  para Angola e para o Brasil.
Mas se querem mesmo saber como o desemprego desceu, subindo, sugiro-vos que leiam isto

O bombeiro americano

A Europa está sob brasas e à beira de um incêndio de consequências inimagináveis que deflagrou há meses e ameaça ficar sem controlo.
Obama parece ter descoberto a solução. Envia umas armas para a Ucrânia. Se o incêndio se propagar à Europa, a gente que se amanhe.
Estes bombeiros americanos estão habituados a apagar incêndios com gasolina mas, apesar da instabilidade e do número de mortos que provocaram com actuações idênticas, um pouco por todo o planeta, ainda não perceberam que essa táctica só agrava os conflitos e gera abortos como o ISIS, ou transforma monstros em heróis.