domingo, 1 de fevereiro de 2015

Caniches e coelhos: a mesma luta!

O INE revelou os dados da pobreza em 2013. São dados preocupantes, mas.Passos Coelho desvalorizou as estatísticas  e aproveitou uma reunião do laranjal para passar uma mensagem através das televisões: isso foi em 2013, um ano difícil ( que ele  próprio em Janeiro de 2013 afirmou que ser o ano da recuperação) mas agora estamos muito melhor. 
Já estamos habituados a ouvir Passos Coelho dizer, todos os anos, "este é o ano da recuperação". Azar... a recuperação nunca se concretiza e todos os anos nos vamos afundando cada vez mais.
A verdade é que é preciso recuar a 2003 para encontrar um ano com índices tão elevados de pobreza. Por acaso, era o PSD que estava no governo, o que significa, de modo irrefutável, que  quando o PSD governa, a pobreza aumenta.
Em 2003 Durão Barroso era pm e fugiria para Bruxelas depois de trair a opinião pública mundial,  quando garantiu  ter visto armas de demolição maciça no Iraque e traiu o país ao usar os Açores para dar o  aval  à invasão do Iraque  . Em 2015, o traidor de serviço chama-se Pedro Passos Coelho. Traiu o país vendendo a retalho o nosso património e traiu os Açores ao aceitar, sem objecções ( como confirmam os documentos a que a RDP Açores teve acesso)  a redução do pessoal americano na base das Lajes.
Durão Barroso e Passos Coelho uniram-se na mesma luta: destruir Portugal e empobrecer os portugueses. O primeiro foi recompensado pela traição e há dias condecorado por Merkel, por ter desempenhado com distinção o papel de caniche.
Passos Coelho nem classe tem para ser caniche. Não passará nunca de um lambe botas cretino, mas Merkel saberá certamente recompensá-lo pelos bons serviços prestados à Alemanha.
O PSD é um partido que mete nojo mas há muitos tugas - habituados a pautar a sua vida pelo mesmo tipo de comportamento subserviente e serviçal - que se revêem perfeitamente na figura dos  cretinos que lideram a agremiação laranja.

Quem não deve, não teme!

Cavaco fez saber que se recusa a prestar quaisquer declarações aos deputados sobre as conversas com Ricardo Salgado. Obviamente, teve o apoio dos seus protegidos do governo.
De qualquer modo, o silêncio de Cavaco tem o grande mérito de ser esclarecedor. Se Cavaco não tivesse nada a esconder, seria o primeiro a querer ser ouvido. Ao recusar qualquer esclarecimento, todos ficamos suficientemente esclarecidos quanto à actuação do PR no caso BES. Não seria preciso tanto, porque Cavaco já deu sobejos exemplos  que permitem traçar o seu caracter pouco recomendável. Como pessoa mas, acima de tudo, como PR. 
Tenho, porém, uma revelação a fazer. No interesse dos leitores do CR fiz o meu trabalho,ouvi diversas fontes e, durante a próxima semana, vou revelar o essencial das conversas entre Ricardo Salgado e  Cavaco Silva.
E esta, hem?

Bibó Porto (35) : Uma questão de reputação



Na semana passada aconselhei-vos um hotel, entre muitos que marcam a diferença no Porto ( ver aqui). 
Nem de propósito. Por mera coincidência, esta semana a reputação da hotelaria do Porto ultrapassou a de Lisboa.