quarta-feira, 9 de dezembro de 2015

E se pensássemos um pouco sobre este assunto?






As fotos acima foram tiradas em Baltimore(EUA) Kent (Inglaterra) e S. Petersburgo (Rússia) mas podem ser obtidas em muitos outros locais do mundo. 
O que vemos nas fotos são automóveis novos, abandonados. Dentro de poucas semanas  muitos serão  destruídos porque os fabricantes não os conseguiram vender, por causa da crise global que se iniciou em 2007.
Uma parte significativa ficará simplesmente a apodrecer nestes depósitos ao ar livre, existentes um pouco por todo o mundo.
Razões óbvias impedem os fabricantes de baixar o preço para os tentar vender por isso, depois de destruídos estes carros darão origem a novos modelos, muitos dos quais irão ocupar o lugar dos que em breve serão destruídos.
Por que razão os fabricantes continuam a insistir em produzir novos modelos, se não os conseguem vender? - perguntarão alguns leitores.
A resposta é simples: se pararem a produção, as fábricas acabarão por fechar e milhões de trabalhadores irão para o desemprego. Não só no ramo automóvel, mas também em indústrias afins, como a do aço, por exemplo.
Assim, para evitar que a recessão se agrave, as fábricas continuam a produzir, mas são os consumidores e os trabalhadores que pagam o desperdício, quando adquirem um veículo novo.
Este modelo de produção  não é exclusivo da indústria automóvel. É universal e causa especial estranheza quando falamos da industria alimentar. Enquanto milhões de pessoas passam fome, milhares de toneladas de alimentos são destruídos todos os dias, para impedir a queda dos preços provocada pelo excesso de produção.
Um dia, este modelo de desenvolvimento insustentável terá de ser substituído por outro mais justo,menos poluidor, que combata o desperdício e seja mais equitativo.
Por muito estranho que possa parecer a alguns, este é um dos problemas que se vem discutindo há mais de duas décadas nas cimeiras do clima. Muito antes da  crise de 2007, este cenário era expectável e foi alvo de muitos alertas dos ambientalistas.
Só que é um problema insolúvel, enquanto os poderes políticos estiverem reféns dos grandes interesses económicos e financeiros, que impedem uma acção à escala global. 

6 comentários:

  1. Fotografias com imagens idênticas,no deserto X nos EUA: de aviões e outros meios mlitares retirados do activo.
    E portanto, com fábricas a fechar e menos população a laborar, como redistribuir os rendimentos da fidalguia da nova economia?

    ResponderEliminar
  2. Estou a ler „Germany 2064" de Martin Walker.

    Agora ainda são os carros retirados do activo, no futuro são as pessoas.

    Abraço e continuação das melhoras.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Futuro?
      Subitamente e num só instante o que diz é real mas não irá acontecer no "futuro", já acontece agora.

      CEMITÉRIO DOS EXCEDENTES...
      Humanos ou electrónicos...
      Ferro velho ou ossadas...

      Eliminar
  3. Revoltante, Carlos.
    É o mínimo que se pode dizer.
    Porque para ir para além disso tinha que ser muito mal educado.

    ResponderEliminar
  4. da génese do capitalismo
    resulta isto

    Que fazer?

    ResponderEliminar
  5. Tudo o que descreve é bem verdade.
    Ainda dizem mal dos ambientalistas mas, décadas passadas, o alerta por eles dado transforma-se em realidade de conhecimento geral. É aí que alguns dizem: "mas porquê não se previu e preveniu isto"? lol.

    É um modelo ambiental e económico insustentável.
    Faz aumentar o abismo entre ricos e pobres.
    deixa pouco espaço para o intermédio.

    ResponderEliminar