segunda-feira, 30 de novembro de 2015

Tapar o sol com uma peneira?

A COP 21 que hoje se iniciou em Paris, é anunciada como a cimeira da viragem, porque esta é a última oportunidade para salvar o planeta. 
Já ando nisto há 40 anos, já participei em muitas cimeiras como jornalista e activista e estou cansado de ver e ouvir os dirigentes mundiais criarem expectativas que depois não se confirmam. Desde a Cimeira do Rio 92, as expectativas têm aumentado na razão directa das desilusões.  Temo que isso volte a acontecer na cimeira de Paris e o comunicado final nos anuncie falsos acordos, tão ténues como os anteriores, mas dourados com uma mensagem de esperança, para calar a opinião pública, cada vez mais esclarecida e exigente.
O que a partir de hoje e até dia 12 de Dezembro se vai discutir em Paris, não é muito diferente do que se vem debatendo nos últimos 20 anos. A diferença é que há cada vez menos tempo para encontrar soluções que impeçam que até final do século a temperatura suba mais de 2ºC.  
Já escrevi centenas de artigos em jornais generalistas e imprensa especializada e  muitas dezenas de posts neste blog ( ver etiquetas: Ambiente, Brites, o mocho sabichão et alliae), onde equaciono o que está em jogo no tabuleiro do clima. Não vou, por isso, maçar-vos, repetindo-me. Limito-me a explicar as razões do meu cepticismo.
O lema "Pensar globalmente, agir localmente" que marcou os anos seguintes à Cimeira do Rio 1992 necessita de ser reformulado. Hoje em dia, pensamento e acção têm de ser conjugados à escala global, embora sem perder de vista as especificidades locais. Mais de duas décadas depois do Rio de Janeiro, é impossível imaginar soluções que não sejam concertadas entre os grandes poluidores ( os países mais ricos) e os países mais pobres, as principais vítimas das alterações climáticas, como se infere se lembrarmos onde se registaram as piores catástrofes naturais e suas consequências.
Para alterar o panorama negro que se vislumbra num horizonte temporal de apenas duas ou três décadas, é preciso alterar as regras do mercado de carbono, mas também o modelo de desenvolvimento, assente em modelos económicos sustentáveis, onde os combustíveis fósseis sejam substituídos por energias limpas. Para isso é preciso criar, a nível global,  um fundo verde para apoio a economias emergentes que têm alicerçado o seu desenvolvimento na utilização de energias fósseis. Para que se faça uma ideia dos montantes envolvidos na criação desse fundo, direi que apenas a Índia reclama mais de 2 mil milhões de euros para adaptar o seu modelo de produção a energias limpas.
Não menos difícil será implantar, à escala global, um modelo de consumo sustentável, assente no combate ao desperdício e na penalização de hábitos de consumo poluentes. 
As sociedades hodiernas- seja em países ricos ou pobres-  assentam há décadas nos pilares da sociedade de consumo e não será fácil alterar este modelo civilizacional assente no desperdício e na ideia de que os recursos ( naturais) são ilimitados.
As desigualdades criadas pelos modelos de economia liberais acentuaram o fosso entre  os países e não será fácil exigir aos mais pobres que abdiquem do seu modelo de desenvolvimento e imponham aos seus povos limites às suas aspirações.
Se nos lembrarmos que vivemos numa época em que o mundo ocidental está constantemente em busca de novas tecnologias existem, em contraponto,  quase dois biliões de pessoas que não têm acesso às velhas tenologias ( electricidade, água e saneamento básico) percebe-se melhor a razão do meu cepticismo. Pensar que os problemas climáticos se resolvem atirando dinheiro para cima dos problemas, é um erro crasso. Fingir que tudo se pode resolver sem um choque civilizacional e sem grandes cedências dos países mais ricos e mais desenvolvidos aos países mais pobres e em processo de desenvolvimento, será meio caminho para a catástrofe. 

3 comentários:

  1. Talvez os países mais ricos e desenvolvidos, os que mais poluem (aos do norte até dá jeito que, a curto prazo, a temperatura suba um pouco), comecem a agir, quando o mercado do carbono for substituído pelo do oxigénio. Aí já será tarde demais, porque já nem podem, explorar as riquezas da deserta África e parte da Ásia. Por enquanto vão poluindo cada vez mais, eliminando florestas e criando extensas áreas de produções geneticamente modificadas e de sementes híbridas, para que os pobres deixem de produzir e, ainda por cima, lhes queimam, com pesticidas, as suas pequenas colheitas locais.

    ResponderEliminar
  2. Infelizmente não espero que saia nada de relevante dali.
    Retórica, boas intenções, pouco mais.
    Aquele abraço

    ResponderEliminar
  3. http://www.disclose.tv/news/goldman_sachs_invented_the_carboncredit_market_in_response_to_global_warming_to_make_trillions_again/125052?facebookad=1

    ResponderEliminar