sexta-feira, 31 de julho de 2015

Resumindo...

O programa do governo para a próxima legislatura, ontem divulgado pela dupla Passos/Portas é isto:

Ou, se preferirem, um pouco mais disto:



É preciso não ter um pingo de vergonha na puta da tromba!

16 comentários:

  1. Este assassino do país até quer tirar os dentes e os ossos do esqueleto. Esquece-se que os chineses estão em queda abrupta e nem de borla vão querer tanta porcaria. Escravos também eles já lá têm se sobra.

    ResponderEliminar
  2. Quem disse que o homem tem vergonha? Coelho tudo tem feito para demonstrar o contrário.

    ResponderEliminar
  3. "Nas putas das trombas"!!!!!!!!!!!! Ele e a do "portas"!

    ResponderEliminar
  4. Não acredito que se forem outros para lá, consigam fazer melhor.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pode crer que não, veja a Grécia, tantas promessas e vão fazer o que lhes mandam, só que, não está a perceber o motivo escondido de tanta raiva e má educação, o país está endividado, continua a ter que pedir dinheiro, no entanto, enquanto uns trabalham, por cada vez menos, e descontam, cada vez mais, há um grupo que se habituou a ter tudo garantido para todo o sempre, como se na vida houvesse alguma coisa garantida mas, mesmo assim, não estão satisfeitos, como têm de pagar irs, quanto maior são as reformas mais pagam (como todos os outros) mas, como estavam mal habituados, agora quanto mais pagam mais refilam, não estão preocupados com as gerações futuras e, estão-se borrifando se, no futuro, os mais jovens terão, sequer, direito a reforma e, por acaso, tenho reparado que os que mais refilam nesse grupo são os que não têm filhos nem netos, puro egoísmo e nada mais do que isso. Depois ainda têm a lata de dizer que só querem pôr os outros contra eles, ou seja, os que trabalham (para lhes pagar as reformas), os jovens que, se tiverem sorte, recebem ordenados mínimos, ou estejam desempregados, mas que, no futuro, também não escaparão à dívida do país, mas nem falar se pode, que ninguém se atreva a pôr, todos os outros, contra os coitadinhos dos reformados, claro que, quem tem reformas pequeninas, esses, mesmo que pouco, têm sido aumentados, o problema são os outros, os que num tempo de tantas incertezas e dificuldades, ainda têm a sorte de ter um rendimento garantido e de, preferência as querem, sem nunca estarem "congeladas". Resumindo... basta tirarem-lhes "umas migalhas do bolo" para refilarem, até ao ponto, de serem mal educados.
      No entanto, aqui, pelo menos, ainda se pode deixar um comentário contra, porque conheço alguns que dizem ter comentários moderados, mas é só para aplicarem a censura e, claro, este comentário, sei que, em certos blogues, nem sequer passaria. Acima de tudo aprecio a transparência, viver bem com a minha consciência e tentar, acima de tudo, estar do lado do que penso ser o mais justo para Todos.

      Eliminar
    2. Um anónimo que aprecia a transparência e detesta a má educação...

      Eliminar
    3. Este comentário foi removido pelo autor.

      Eliminar
    4. Pois é, uns morrem outros ficam assim.

      Eliminar
  5. Carlosamigo

    E não digam que eu não avisei: os gajos são umas putas e são filhos delas. Vou comprar o famoso Pograma (Vide Aníbal) para o encaixilhar na minha casa de banho por cima da retrete.E é só...

    Abç do alfacinha

    ResponderEliminar
  6. Carlosamigo

    E não digam que eu não avisei: os gajos são umas putas e são filhos delas. Vou comprar o famoso Pograma (Vide Aníbal) para o encaixilhar na minha casa de banho por cima da retrete.E é só...

    Abç do alfacinha

    ResponderEliminar
  7. Pedir a um sem vergonha que se deva sentir envergonhado
    É como que chover no molhado

    Mais valia falar-se de uma saída...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Quanto a ser anónimo, se o Google deixasse seria independente, mesmo que pusesse o nome não me conheceria de lado nenhum, nem de Partidos, nem de publicidade a Partidos, apenas um português cansado de ver uns com tudo adquirido e garantido e outros que só servem para trabalhar e pagar, neste país nunca me deram nada, só me têm tirado, portanto, sou apenas mais um que passa na rua e que vai a pé quando os transportes públicos fazem greve, porque quando não trabalho não ganho e ainda tenho de pagar para os que aprenderam a fazer como as crianças, basta fazer birra que alguém pagará e não são os governos nem os Ministros, são os outros cidadãos e alguns já começam a ficar fartos de tanta conversa fiada, seja de políticos, seja de acomodados...

      Eliminar
    2. Então não se vire contra os que não têm culpa e em vez de desabafar tente conhecer o que o rodeia. Por acaso leu a notícia que diz que 8,5% da riqueza deste país está na mão de 3 pessoas, fora o que eles têm escondido. É contra esses que tem de se manifestar e contra um grupelho de velhos jotas assassinos que deram cabo deste país, mais um cavaco que foi o principal responsável por existir esta canalha. Poderia explicar-lhe tanta coisa mas não tenho paciência para estar a escrever. Nós não somos anónimos. Nós somos apenas um número. O meu avô não teve reforma, mas nunca passou fome. Os filhos trataram dele quando deixou de poder. O outro o B. machado o brasileiro explorador de escravos, (que estava vendido aos ingleses) fez com que ele ficasse despedaçado em La Lys. Deixou cá uma molécula que viria a ser meu pai, que também nunca chegou a ter reforma. Leia a lei 2115 e o D/L 45266 e fica a saber quando foram criadas reformas. Os jovens de hoje têm muito tempo para prepararem o seu futuro e não viverem à custa dos pais. Veja também a história de emigração portuguesa. Deixe a pseudo educação de lado e mande à merda todos os que merecem.

      Eliminar
    3. Resumindo... os pequenos acabam, precisamente, por fazer o mesmo que os grandes, a escala em que pisam os outros é menor mas, o egoísmo é, exatamente, o mesmo, aliás a preguiça também, empregos com tudo garantido, trabalho (e esta ouvi) que faça O do turno da tarde que eu já estou cansado.
      É tudo muito bonito em teoria mas, sejam grandes ou pequenos, os tais 99% também se estão nas tintas para os outros e, não há dúvida, que todos divididos em que cada um exige conforme os interesses do seu grupinho é, precisamente, por isso que o 1% controla os outros 99% e vão sempre ganhar porque não há nada como dividir para reinar e os ingénuos estão sempre a cair que nem uns patos, dividem-se e exigem coisas que não são boas para Todos mas, para o seu grupo profissional, político, social, aliás, tudo serve para se dividirem e conseguirem coisas para o seu próprio grupo, e a meia dúzia de poderosos ainda se deve rir com os desgraçados cá de baixo a lutar entre eles por uns tremoços e amendoins. Pena que só se lembrem de que são todos iguais e não há grupos com mais ou menos garantias, quando a Mãe Natureza, resolve trazer um terramoto, um vulcão, um tornado ou uma bactéria daquelas que fazem parte da maioria que não temos meios para combater... seguindo o mesmo princípio, protestem e façam greve.

      Eliminar
  8. Carlos, ñ se queixe do seu País. Hoje o face lembrou-me isto: "Ainda dizem que a Justiça é lenta no nosso País. Porque será? Mexeram no melhor código e agora quem pega o fio da meada?Alguma dúvida?Com este exemplo percebe-se perfeitamente a clareza das nossas leis!NÃO!! ISTO NÃO É ANEDOTA! RETRATA O PAÍS, ONDE SE COME A SOPA COM SACA-ROLHAS.PODEM CONSULTAR O D.L. COMPLETO, SE TIVEREM CORAGEM DEPOIS DE LER O ATº 1º.Para conhecimento de todos , dou-vos cópia apenas do Artigo 1º da Lei nº 23/2013, de 5 de Março:
    «A presente lei aprova o regime jurídico do processo de inventário, altera o Código Civil, aprovado pelo Decreto-Lei n.º 47 344, de 25 de novembro de 1966, e alterado pelos Decretos -Leis n.os 67/75, de 19 de fevereiro, 201/75, de 15 de abril, 261/75, de 27 de maio, 561/76, de 17 de julho, 605/76, de 24 de julho, 293/77, de 20 de julho, 496/77, de 25 de novembro, 200 -C/80, de 24 de junho, 236/80, de 18 de julho, 328/81, de 4 de dezembro, 262/83, de 16 de junho, 225/84, de 6 de julho, e 190/85, de 24 de junho, pela Lei n.º 46/85, de 20 de setembro, pelos Decretos -Leis n.os 381 -B/85, de 28 de setembro, e 379/86, de 11 de novembro, pela Lei n.º 24/89, de 1 de agosto, pelos Decretos -Leis n.os 321 -B/90, de 15 de outubro, 257/91, de 18 de julho, 423/91, de 30 de outubro, 185/93, de 22 de maio, 227/94, de 8 de setembro, 267/94, de 25 de outubro, e 163/95, de 13 de julho, pela Lei n.º 84/95, de 31 de agosto, pelos Decretos -Leis n.os 329 -A/95, de 12 de dezembro, 14/96, de 6 de março, 68/96, de 31 de maio, 35/97, de 31 de janeiro, e 120/98, de 8 de maio, pelas Leis n.os 21/98, de 12 de maio, e 47/98, de 10 de agosto, pelo Decreto -Lei n.º 343/98, de 6 de novembro, pelas Leis n.os 59/99, de 30 de junho, e 16/2001, de 22 de junho, pelos Decretos--Leis n.os 272/2001, de 13 de outubro, 273/2001, de 13 de outubro, 323/2001, de 17 de dezembro, e 38/2003, de 8 de março, pela Lei n.º 31/2003, de 22 de agosto, pelos Decretos -Leis n.os 199/2003, de 10 de setembro, e 59/2004, de 19 de março, pela Lei n.º 6/2006, de 27 de fevereiro, pelo Decreto -Lei n.º 263 -A/2007, de 23 de julho, pela Lei n.º 40/2007, de 24 de agosto, pelos Decretos -Leis n.os 324/2007, de 28 de setembro, e 116/2008, de 4 de julho, pelas Leis n.os 61/2008, de 31 de outubro, e 14/2009, de 1 de abril, pelo Decreto -Lei n.º 100/2009, de 11 de maio, e pelas Leis n.os 29/2009, de 29 de junho, 103/2009, de 11 de setembro, 9/2010, de 31 de maio, 23/2010, de 30 de agosto, 24/2012, de 9 de julho, 31/2012 e 32/2012, de 14 de agosto, o Código do Registo Predial, aprovado pelo Decreto -Lei n.º 224/84, de 6 de julho, e alterado pelos Decretos -Leis n.os 355/85, de 2 de setembro, 60/90, de 14 de fevereiro, 80/92, de 7 de maio, 30/93, de 12 de fevereiro, 255/93, de 15 de julho, 227/94, de 8 de setembro, 267/94, de 25 de outubro, 67/96, de 31 de maio, 375 -A/99, de 20 de setembro, 533/99, de 11 de dezembro, 273/2001, de 13 de outubro, 323/2001, de 17 de dezembro, 38/2003, de 8 de março, e 194/2003, de 23 de agosto, pela Lei n.º 6/2006, de 27 de fevereiro, pelos Decretos -Leis n.os 263 -A/2007, de 23 de julho, 34/2008, de 26 de fevereiro, 116/2008, de 4 de julho, e 122/2009, de 21 de maio, pela Lei n.º 29/2009, de 29 de junho, e pelos Decretos -Leis n.os 185/2009, de 12 de agosto, e 209/2012, de 19 de setembro, o Código do Registo Civil, aprovado pelo Decreto -Lei n.º 131/95, de 6 de junho, com as alterações introduzidas pelos Decretos--Leis n.os 36/97, de 31 de janeiro, 120/98, de 8 de maio, 375 -A/99, de 20 de setembro, 228/2001, de 20 de agosto, 273/2001, de 13 de outubro, 323/2001, de 17 de dezembro, 113/2002, de 20 de abril, 194/2003, de 23 de agosto, e 53/2004, de 18 de março, pela Lei n.º 29/2007, de 2 de agosto, pelo Decreto -Lei n.º 324/2007, de 28 de setembro, pela Lei n.º 61/2008, de 31 de outubro, pelos Decretos -Leis n.os 247 -B/2008, de 30 de dezembro, e 100/2009, de 11 de maio, pelas Leis n.os 29/2009, de 29 de junho, 103/2009, de 11 de set., e 7/2011, de 15 de março, e pelo Decreto -Lei n.º 209/2012, de 19 de set, e o Código de Processo Civil, (CONTINUA)

    ResponderEliminar
  9. CONT. aprovado pelo Decreto -Lei n.º 44 129, de 28 de dezembro de 1961, e alterado pelo Decreto -Lei n.º 47 690, de 11 de maio de 1967, pela Lei n.º 2140, de 14 de março de 1969, pelo Decreto -Lei n.º 323/70, de 11 de julho, pelas Portarias n.os 642/73, de 27 de setembro, e 439/74, de 10 de julho, pelos Decretos -Leis n.os 261/75, de 27 de maio, 165/76, de 1 de março, 201/76, de 19 de março, 366/76, de 15 de maio, 605/76, de 24 de julho, 738/76, de 16 de outubro, 368/77, de 3 de setembro, e 533/77, de 30 de dezembro, pela Lei n.º 21/78, de 3 de maio, pelos Decretos -Leis n.os 513 -X/79, de 27 de dezembro, 207/80, de 1 de julho, 457/80, de 10 de outubro, 224/82, de 8 de junho, e 400/82, de 23 de setembro, pela Lei n.º 3/83, de 26 de fevereiro, pelos Decretos -Leis n.os 128/83, de 12 de março, 242/85, de 9 de julho, 381 -A/85, de 28 de setembro, e 177/86, de 2 de julho, pela Lei n.º 31/86, de 29 de agosto, pelos Decretos -Leis n.os 92/88, de 17 de março, 321 -B/90, de 15 de outubro, 211/91, de 14 de junho, 132/93, de 23 de abril, 227/94, de 8 de setembro, 39/95, de 15 de fevereiro, e 329 -A/95, de 12 de dezembro, pela Lei n.º 6/96, de 29 de fevereiro, pelos Decretos -Leis n.os 180/96, de 25 de setembro, 125/98, de 12 de maio, 269/98, de 1 de setembro, e 315/98, de 20 de outubro, pela Lei n.º 3/99, de 13 de janeiro, pelos Decretos -Leis n.os 375 -A/99, de 20 de setembro, e 183/2000, de 10 de agosto, pela Lei n.º 30 -D/2000, de 20 de dezembro, pelos Decretos -Leis n.os 272/2001, de 13 de outubro, e 323/2001, de 17 de dezembro, pela Lei n.º 13/2002, de 19 de fevereiro, pelos Decretos -Leis n.os 38/2003, de 8 de março, 199/2003, de 10 de setembro, 324/2003, de 27 de dezembro, e 53/2004, de 18 de março, pela Lei n.º 6/2006, de 27 de fevereiro, pelo Decreto -Lei n.º 76 -A/2006, de 29 de março, pelas Leis n.os 14/2006, de 26 de abril, e 53 -A/2006, de 29 de dezembro, pelos Decretos -Leis n.os 8/2007, de 17 de janeiro, 303/2007, de 24 de agosto, 34/2008, de 26 de fevereiro, e 116/2008, de 4 de julho, pelas Leis n.os 52/2008, de 28 de agosto, e 61/2008, de 31 de outubro, pelo Decreto -Lei n.º 226/2008, de 20 de novembro, pela Lei n.º 29/2009, de 29 de junho, pelos Decretos -Leis n.os 35/2010, de 15 de abril, e 52/2011, de 13 de abril, e pelas Leis n.os 63/2011, de 14 de dezembro, 31/2012, de 14 de agosto, e 60/2012, de 9 de Novembro».

    Portugal no seu melhor!

    ResponderEliminar