terça-feira, 16 de junho de 2015

Um espectáculo deprimente


Foto Carlos Barbosa de Oliveira


Há muito que deixei de ver o Prós e Contras mas,ontem, o tema interessava-me para confirmar algumas suspeitas e decidi arriscar.
Foi um espectáculo deprimente que me permitiu confirmar que o  tuga é um animal perigoso e é aconselhável utilizar o anti repelente para evitar a sua  proximidade. O tuga que viaja para as Caraibas levando consigo o garrafão e lá chegado  arrota e peida-se na praia,  está muito incomodado com a invasão de turistas em Lisboa. 
O tuga  de camisa de alças que se passeia nos centros comerciais, no Oceanário ou no CCB, libertando cheiro a sovaco, usa  óculos escuros no topo da mona  e calça chanatas  de onde emergem unhas negras encravadas e se libertam odores a chulé,  está angustiado porque os turistas têm a ousadia de frequentar a Baixa Chiado, se esparramar nas esplanadas do Terreiro do Paço, tirar fotografias em Alfama ou se embebedar no eixo Bairro Alto Cais do Sodré. Pior ainda, é o turista preferir visitar Sintra ou Cascais, em vez de apreciar as belezas de S. Domingos de Rana, Alcabideche ou Ranholas.
O tuga está angustiado e indignado, farto de turistas pé descalço que, em vez de beberem pelo garrafão, bebem por garrafas. Turistas tão desintegrados e desinformados sobre os valores da Tugalândia, deveriam ser impedidos de passar da Portela ou, no mínimo, obrigados a percorrer circuitos pré determinados pelas autoridades de onde não se deviam afastar, sob pena de serem deportados, depois de pagarem uma pesada multa que os dissuadisse de regressar.
Durante a noite, deveriam ser criados locais apropriados para os turistas se divertirem. Longe das zonas onde o tuga habita e procria e fora dos circuitos de pousio dos sem abrigo, para não lhes perturbar o sono. 
Há, felizmente, um sinal de esperança no futuro. Assim que os países da primavera árabe regressarem à idílica paz prometida em arraiais dos G-8 e dos G-20, os turistas rumarão a essas paragens e os tugas poderão, enfim, voltar a viver tranquilamente. Claro que há um reverso da medalha que o tuga não ignora. Milhares de postos de trabalho perder-se-ão, as receitas do turismo cairão abruptamente, fecharão hotéis, hostais, esplanadas e estabelecimentos cuja existência se deve exclusivamente à invasão de turistas. Mas esse é o preço que todos temos de pagar para que o tuga volte a viver em paz e, durante as férias, possa rumar a outras paragens onde se comporta da mesma forma que o turista em Portugal.
Pessoalmente, recuperava uma ideia de Passos Coelho: incentivava o tuga a emigrar e substituía-o por turistas. Talvez assim este país saísse  desta apagada e vil tristeza.

5 comentários:

  1. Carlosamigo

    Os turistas (de pé descalço ou com ele calçado) são uma praga; mas dão mais dinheiro do que a troika "empresta", também não exageremos.. Por isso Sua Insolência o primeiro-ministro os quer por cá. Talvez porque a malta jovem e boa seguindo os conselhos dele já bazou... Por isso concordo plenamente com o teu artigo...

    Abç

    Pernoca Marota

    ResponderEliminar
  2. Carlos, está a usar uns termos que eu já utilizei aqui . isto só prova que eu também tenho espírito de observação. Este Prós foi uma desgraça. Mas o da semana passada em não houve nem uns nem outros chamou-se "Façam o favor de ser Felizes", foi muito interessante, porque foi gente inteligente a dar a sua opinião sobre o tema. Mas eu vi aqui a correr para lhe dizer que foi muito interessante ver o "Observatório do
    Mundo" que vi agora às 20, mas que vai repetir sobre os "Tecnocratas apátridas" como lhes chamou De Gaulle e que fala sobretudo sobre a actuação da agora malvada tróica. Se puder veja, e verá citações com os nomes dos bandidos que mandam no destroem o mundo. Fui...

    ResponderEliminar
  3. Sem comentários!
    A verdade nua e crua.

    ResponderEliminar
  4. Parece que está a referir-se a Macau, Carlos
    O que é curioso é que fazem lembrar a canção do Variações.
    Porque quando os turistas não aparecem fazem barulho por não haver turistas.

    ResponderEliminar