segunda-feira, 15 de junho de 2015

Os professores que os eduquem!

As associações de pais querem que as férias dos filhos sejam reduzidas a um mês, e  apenas no Verão.
Sinceramente não compreendo estes pais que procuram descartar-se dos filhos o máximo de tempo possível.Eu sei que nos tempos que correm é  muito difícil para os pais conciliarem o trabalho com o acompanhamento dos filhos, mas eles têm de respeitar o direito das crianças ao lazer e o seu espaço para brincar e conviver fora dos muros da escola.
O que as associações de pais pretendem não é apenas uma violência. É, acima de tudo, descartar a responsabilidade pela formação e educação dos filhos e entregar essa tarefa aos professores. Apesar de em muitos outros países os pais terem dificuldades acrescidas no acompanhamento dos filhos,não conheço nenhum país europeu onde não haja férias intercalares. Os pais portugueses, porém, querem pôr os seus interesses acima dos interesses dos filhos e isso parece-me intolerável.
Parafraseando Daniel  Sampaio, é preciso inventar novos pais. Estes falharam a sua missão..

7 comentários:

  1. Olá!!!

    O passatempo, para ganhar uma capa para o teu telemóvel, termina AMANHÃ. Não percas esta oportunidade de personalizar o teu companheiro, de todas as horas.

    Publica aqui, http://the-twentythird-avenue.blogspot.pt/2015/05/pois-e-o-meu-espaco-twenty-third-avenue.html

    Beijinhos!

    ResponderEliminar
  2. Este país não para de me surpreender. Pela negativa.

    Abraço

    ResponderEliminar
  3. Um disparate pegado! Mas o (C)rato é bem capaz de lhes fazer a vontade se lá continua... Que sufoco esta gente toda!!

    ResponderEliminar
  4. Tu sabes que, nos tempos que correm é muito difícil para os pais conciliarem o trabalho com o acompanhamento dos filhos, e ainda assim não compreendes estes pais que procuram descartar-se dos filhos o máximo de tempo possível. Dito de outra forma: Tu sabes que a austeridade é má e não deveria ter sido chamada, e, ainda assim não compreendes aqueles que rejeitam a austeriade como redenção. Talvez menos rapidez no gatilho fosse apropriada. Nem o coelho, nem o coelho.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. «Tu sabes que, nos tempos que correm é muito difícil para os pais conciliarem o trabalho».

      Com austeridade ou sem ela, sempre foi, é, e será difícil conciliar filhos com o trabalho. E no tempo dos meus país também havia austeridade e eles conseguiram criar-me a mim e aos meus dois irmãos.
      A verdade é que mais de metade dos pais em Portugal nunca o deveria ter sido, porque só pensam em ter filhos e esquecem-se do resto. Depois quando os filhos já cá estão, é que se apercebem que se calhar foi uma asneira ter tido filhos. É claro que estas coisas não se podem dizer, porque fica mal, é politicamente incorrecto e ainda por cima prejudica a natalidade.
      Quanto ao resto, subscrevo inteiramente o seu texto, Carlos.

      Eliminar
  5. As minhas filhas têm pouco mais que um mês de férias nas escolas que frequentam, Carlos.
    Não são os pais que se querem ver livres delas (quem me dera tê-las sempre ao pé de mim!!) é o sistema de ensino (inglês) que é assim

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois eu, Pedro, tenho uma sobrinha a estudar no St Julians ( sistema inglês) e ela tem três períodos de férias. E quando eu próprio estudei em Inglaterra ( noutros tempos, eu sei...) as férias nas escolas também eram divididas em quatro períodos, se bem que o maior deles fosse de três semanas.

      Eliminar