quinta-feira, 11 de junho de 2015

Falemos então de mitos urbanos ( e de quem os alimenta)

Aqui, em terras rurais do Alto Douro  confinando com Trás os Montes, chegou-me a notícia, via FB, de que sua excelência o pm considera um mito urbano  o seu convite aos portugueses para emigrarem.
Eu não sei bem o que é um mito urbano mas, a avaliar pelo que li, todas as mentiras de Passos Coelho durante a campanha eleitoral de 2011 e as que proferiu ao longo dos últimos quatro anos devem ser passíveis de igual denominação.
Parece-me, porém, oportuno, acrescentar alguns outros exemplos de mitos urbanos
1- A honestidade de Passos Coelho
Um homem honesto  não se furta a pagar as prestações da segurança social, não ludibria o fisco, nem mente à AR, dizendo que  exercia funções de deputado em  regime de exclusividade.
2- A coragem  de Passos Coelho
Passos Coelho começou a pré-campanha eleitoral a negar que alguma vez tivesse convidado os portugueses a emigrar. E também já garantiu que nunca prometeu não cortar salários nem pensões, apesar de serem públicas essas suas promessas.
Um tipo corajoso assume as suas declarações. Aquele que as nega é apenas um cobarde
3- O rigor das contas de Passos Coelho
Se fosse rigoroso nas contas, sabia explicar a razão de ter de cortar 600 milhões de euros nas pensões e assumiria essa responsabilidade no programa de governo, em vez de omitir as soluções.
4- O rigor de Passos Coelho  na aplicação das verbas europeias
Como é que pode um homem que delapidou verbas do Fundo Social Europeu, em cursos para profissionais que não existiam pode ser rigoroso?

5- A Passos Coelho  e a moralização  da  AP
Dois em cada três dirigentes da AP nomeados por este governo pertencem ao PSD e ao CDS

No entanto, estes mitos urbanos sobre Passos Coelho têm sido alimentados ao longo dos anos  quer por bloggers  afectos  ao coelhismo, quer por comentadores do PSD/CDS  com presença diária nos três canais informativos, quer  ainda por uma imprensa ansiosa em receber a devida recompensa por não confrontar  o pm com as suas mentiras e, em alguns casos, até por as alimentar para que se tornem verdade junto da opinião pública.

Dito isto, vou gozar as últimas horas neste espaço rural onde mito urbano significa falta de honra, de vergonha e de carácter.

4 comentários:

  1. Além de um enorme FDP, esta espécie de pm é, ele próprio, um mito suburbano... cheira a esgoto.

    ResponderEliminar
  2. Uma governação carregada de ritos... Aplicados aos urbanos e aos rurais, mas só a alguns!

    ResponderEliminar
  3. Estarão incluídos também, no catálogo dos 'mitos urbanos' o assassinato de Alcino Monteiro, fez vinte anos por estes dias, por uma bandalheira de um grupo de malvados skinheads, que apesar de considerados culpados, ainda se encontra por cumprir a indemnização, estipulada pelo tribunal, à família do desventurado jovem que estava no local errado à hora errada e deu de caras com estes estupores xenófobos?

    Nem só de injustiças e maus critérios do foro político, vive Portugal e os portugueses!
    Há tanto, tanto 'mito urbano' a grassar pelo nosso quotidiano e nesta sociedade que vive indiferente e fixada nas andanças dos políticos, que até parece que só lêem e vêem o que eles dizem e fazem....O resto não conta?

    Janita

    ResponderEliminar
  4. Essas afirmações do PM vão ser brevemente julgadas pelos portugueses, Carlos.
    Isso sim não será nenhum mito.
    Urbano ou outro que tal

    ResponderEliminar