segunda-feira, 15 de junho de 2015

Espera-se o pior

Num mês em que o governo anunciou cortes na segurança social e admite a necessidade de mais medidas de austeridade se não conseguir descer o défice abaixo dos 3%, as sondagens indicam que, apesar de os eleitores preferirem por larga maioria as propostas do PS, às dos partidos da coligação estes são menos penalizados do que o PS nas intenções de voto dos portugueses.
Se alguém perceber, agradeço que me explique...
Em Outubro espera-se o pior. A síndrome de Estocolmo atacou em força os portugueses que se voltaram a endividar a níveis anteriores a 2011.
Depois queixem-se, se o Passos vier dizer que estamos a viver acima das nossas possibilidades...

6 comentários:

  1. Guardem para ouvir uma lição de História e de Economia, quando tiverem tempo. Foi o PPereira que me alertou no "dinamite cerebral". https://www.youtube.com/watch?v=ex20y_p3Qv8

    ResponderEliminar
  2. Hoje o Público sentenciava que o nome do futuro primeiro ministro era um de dois, e dizia quais, depois

    Tem razão, em Outubro espera-se o pior (sem grande novidade)

    Quanto ao endividamento
    ele não é, vai sendo
    (basta ver no Continente, o que compra toda a gente)

    ResponderEliminar
  3. PS e e coligação colados nas sondagens, Carlos.
    São os portugueses que são masoquistas ou é o PS que não anda a fazer o que devia??
    Aquele abraço, boa semana

    ResponderEliminar
  4. Isto é coisa para se decidir mesmo 'em cima' da votação.
    Não vale a pena darmos atenção ao entretém, bem pago, das empresas de sondagem.
    Os portugueses estão indecisos, divididos, e não há nada que os faça ter certezas, ainda que apenas a cerca de quatro meses de distância.

    ResponderEliminar
  5. OLha, queixo-me do mesmo. Também estou à espera que me expliquem.

    ResponderEliminar
  6. OLha, queixo-me do mesmo. Também estou à espera que me expliquem.

    ResponderEliminar