quarta-feira, 24 de junho de 2015

A direita do courato e a crise grega


Foto da Net


O Syriza cedeu em muitos pontos, mas não ultrapassou algumas linhas vermelhas impostas por Tsipras: a  redução de  pensões e de salários e  o aumento  da energia, por exemplo, foram questões em que não recuou. 
É inegável que foi obrigado a recuar mais do que pretendia e prometera aos gregos, mas pode dizer-se que foi uma derrota? Não. Aposto mais no empate, pois ambas as partes salvaram a face. 
Quem parece não gostar  do acordo é a direita do courato. A direita  de Passos, Portas e Marilú, mas também  do Observador, do Blasfémias e da D. Helena que gosta que lhe apalpem as mamas. A direita do courato  queria sangue, porque os gregos são uns corruptos e mereciam ser castigados.  Mesmo que isso significasse mais sacrifícios para nós, o fim do euro e uma eventual guerra  na Europa ( que inevitavelmente irá acontecer). A direita do courato  está inconsolável. 
Talvez se anime um pouco, quando o acordo for votado no parlamento grego. É que, segundo alguns analistas, poderão ser os partidos gregos de direita a viabilizar o acordo, pois as divisões no seio da coligação e do próprio Syriza, tornarão muito difícil a aprovação do acordo, sem votos favoráveis de deputados de partidos de direita. E, se assim for, Tsipras tem um grande problema para resolver.

10 comentários:

  1. Há 'direitas' que se sentem incomodadas até com sua própria existência.

    ResponderEliminar
  2. Estou de acordo com o O MANIFESTO 74, quando escreve:

    http://manifesto74.blogspot.de/2015/06/nao-corrida-nao-e-entre-passos-e-costa.html#more

    ADMIRO o Tsipras pela sua coragem, qualidade que o vosso Costa não tem.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Concordo que Costa não tem coragem, mas a verdade é que Jerónimo de Sousa também não. Ataca ferozmente o PS, mas trata o PSD com imensa delicadeza.

      Eliminar
    2. Não é bonito arranjar bodes expiatórios para as nossas mágoas e lembre-se de que andamos nisto há 40 anos.

      Eliminar
  3. Ainda adolescente li o seguinte que me continua a marcar: "enquanto não determinares a origem do problema jamais o conseguirás resolver".

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É uma verdade indiscutível que "enquanto não determinares a origem do problema jamais o conseguirás resolver".

      Sabemos, no entanto, a razão dos problemas dos países da periferia do capitalismo e quem são os culpados da porca miséria, onde nos encontramos.

      Eliminar
    2. Sabemos de tudo mas não agimos em conformidade e o resultado é esta vil tristeza.

      Eliminar
  4. realmente é na alemanha que a ema está bem.identifica-se muito bem com valter e com o adolfo.

    O Costa não tem falta de coragem, tem é educação a mais e meteu-se num ninho de víboras e terá um pouco falta de carisma. Na política para se singrar tem de se viver com uma mão na merda outra na consciência. Estes que lá estão agora nem têm consciência, por isso não têm futuro, só que mantêm o povo caladinho porque está aterrorizado e com medo de mais sacrifícios e uma mentira muitas vezes repetida torna-se verdade.

    ResponderEliminar
  5. «o fim do euro e uma eventual guerra na Europa ( que inevitavelmente irá acontecer)».

    Carlos não seja catastrofista! A Europa não vai andar toda à batatada só porque uma moeda poderá desaparecer. O Brasil mudou de moeda várias vezes e não entrou em guerra com ninguém. Os países Bálticos mudaram 3 vezes de moeda em menos de 25 anos (1991 a 2014) e isso não deu origem a nenhuma guerra.
    Se o Euro estoirar, estoirou. Alemanha e a França de certeza que não se lixam, os outros já não sei, mas isso nunca irá conduzir a uma guerra. Quanto ao comum cidadão europeu que não faça parte da Alemanha ou da França e se tiver dinheiro, tem duas soluções: Ou põe o dinheiro no estrangeiro ou abre uma conta em moeda estrangeira.

    ResponderEliminar