quarta-feira, 13 de maio de 2015

Devagar, devagarinho...


Hoje é 13 de Maio, mas não consta que haja milagres em Fátima.  No entanto,  os vendedores de promessas e relíquias de S. Bento lá arranjaram maneira de fabricar um milagre.  Decretaram que entraria hoje em vigor o famigerado Acordo Ortográfico. Como Portugal é o único país lusófono onde vai vigorar, ninguém consegue explicar que raio de acordo é esse feito por um estado consigo próprio. Daí que este Acordo seja um milagre. Principalmente se conseguir vingar fora do âmbito do Estado e das suas relações com os cidadãos.
S. Bento preparou ainda outro milagre, mas não surtiu efeito. Ao publicar no Portal do Governo as 20 reformas estruturais realizadas por Passos e seus discípulos, S. Bento falhou em toda a linha. Lê-se aquele fraseado todo e chega-se à conclusão que nem se apresentam os resultados das reformas apregoadas, nem se vislumbram- exceptuando dois ou três casos- os seus contornos. Em vez de milagre, saiu número de circo.
Regresso hoje ao CR. Devagar, devagarinho, para não me assustar muito com o que vou lendo e ouvindo após duas semanas de (quase) total ignorância sobre o que se ia passando por aqui.

9 comentários:

  1. Welcome back com os milagres e os milagreiros de S. Bento (da porta fechada)

    ResponderEliminar
  2. Bom regresso... Que não seja apenas uma "aparição ":-))

    ResponderEliminar
  3. Pois, é preciso ir devagarinho, embora o "susto" já seja o habitual... :)

    Beijocas e bom regresso, Carlos!

    ResponderEliminar
  4. Bem regressado. Prepare-se para sentir muitas dores nos próximos dias. Dores que são um susto.

    ResponderEliminar
  5. Bem regressado sejas.

    E que continues assim, com toda verve de sempre.

    Bons sonhos, amigo :)

    ResponderEliminar
  6. Não há milagres como antigamente.
    Mas há uma campanha eleitoral aí à porta e há que recorrer aos "milagres" da tecnologia.

    ResponderEliminar
  7. Ainda bem que está de volta Carlos, é que a blogosfera sem o Carlos não é bem a mesma coisa. Já sentia falta da sua boa escrita e análise regular do dia-a-dia.

    ResponderEliminar