quinta-feira, 23 de abril de 2015

Apalpem-me as mamas, que eu gosto!





"A Helena Matos, no Blasfémias, não vê mal em que se espremam as mamas das mulheres como forma de provar que estejam a amamentar. Certamente que o plural é abusivo; ela fala por ela e por pessoas como ela. A Helena, como boa liberal, com certeza não se importa que o patrão lhe aperte as mamas para confirmar se está ou não a amamentar, para poder gozar um direito - o escândalo, um trabalhador com direitos! - que lhe é conferido pela lei. Para a Helena é normal e, confesso, estou curioso para saber como têm sido as entrevistas de emprego de Helena Matos ao longo dos tempos. Se é que alguma vez foi a alguma. Terá feito o teste da virgindade (http://www.hrw.org/pt/news/2014/12/01/onu-oms-condena-testes-de-virgindade)? Será que foi devidamente avaliada, com direito a palpação?

As questões legais já estão mais do que esclarecidas aqui (http://www.hrw.org/pt/news/2014/12/01/onu-oms-condena-testes-de-virgindade) e aqui (http://manifesto74.blogspot.pt/2015/04/espreme-mama-se-nao-der-leite-nao-ha.html). 
Enoja-me esta merda de ser suposto aceitar tudo. Enoja-me neste caso específico a pessoa em causa ser uma mulher, ou qualquer coisa parecida, que eu, nestas coisas, partindo do princípio da Helena, só acredito quando vir.

Comparar exames médicos normais, como faz Helena Matos, a ter de esguichar leite pelas mamas para provar o que quer que seja a um patrão ou a um chefe, consegue ser um nível acima da filhadaputice do César das Neves.

Ser uma mulher a escrevê-lo prova que a imbecilidade não tem género. E voltamos aqui a uma questão central: a luta é de classes, não é de género. A mulher que escreveu aquilo não deixa de ser mulher. Uma mulher de merda, mas uma mulher.

Creio que a Helena estará antes a projectar as suas necessidades - legítimas - na generalidade das mulheres. Ora imaginem lá o José Manuel Fernandes a apalpar as mamas da Helena Matos, antes de convidá-la para opinar no covil de fachos que dirige? Não é uma imagem bonita?"

Ricardo M. Santos, in Manifesto 74

10 comentários:

  1. Não ouvi a entrevista e pelo que sei, durante um ano não é preciso "esguichar mamas" e até lhe digo que, em muitos casos, o leite acaba antes do fim desse ano , como foi comigo. Aquilo que eu vejo é que, como muitas das coisas que se passam neste país, acaba sempre por pagar o justo pelo pecador e, quando ouço casos de que têm a benesse do horário reduzido durante 4 anos com a desculpa da amamentação, me desculpe mas são estes casos que acabam por prejudicar todas as mulheres.
    Se todos cumprissem nunca haveria necessidade de atingir limites extremos, mas esta mentalidade já está instalada de alto a baixo, de quem melhor usa o sistema da "espertalhice". Como dizem que estamos num Estado de Direito é muito simples, se "esguichou" mete um processo e pede uma indemnização, se não "esguichou"... o que pensa disso? Isso era exactamente o que seria importante saber.
    Isto dos aproveitamentos e saber usar as leis em proveito próprio foi o que levou este país ao pandemónio. Aliás, por vezes, eu tinha a mania de só culpar os políticos, mas na verdade eles não vieram do espaço sideral nem de outra dimensão, saiem de dentro da própria sociedade onde vivemos, uma sociedade que não gosta muito de regras e que apregoa muita coisa mas anda sempre prontinha a prevaricar, os políticos são apenas o reflexo da qualidade dos seus cidadãos, curiosamente isso está a acontecer a nível global... a espécie humana está cada vez mais afastada de ideais, honra, ética... dizem que os valores vão mudando com o tempo, o problema é se não mudam, mas apenas desaparecem... depois ficamos todos admirados se miúdos franceses, ingleses e até portugueses viram terroristas, claro que se não passarmos valores aos mais novos, estamos à espera de quê?

    ResponderEliminar
  2. Carlosamigo

    O problema é da Helena Matos e de quem (lhe) apalpa as matas. O resto são peanuts desmamados...

    Abç

    ResponderEliminar
  3. O Zé Manuel Fernandes é outro oleoso desmamado, por isso também é tão nojento/tendencioso nas intervenções que faz. Do resto não vale a pena falar porque está tudo grosso, como dizia a nossa saudosa...
    Mas eu vinha aqui por causa desta notícia que li só agora. Será que em caminho passava pela Urbanização das Varandas de São Pedro ( construídas pelo maior construtor e não só, da zona, em terreno que lhe foi cedido por permuta pela CMC), e aproveitava para dar boleia à Marilú, pois é onde ela mora e não para de fazer obras. Ela ultimamente tem andado muito liberta... http://www.cmjornal.xl.pt/nacional/detalhe/motorista_das_financas_levava_droga.html

    ResponderEliminar
  4. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  5. Há criaturas que abusam dos direitos que têm e esses casos devem ser punidos.

    Compreendo que se verifique a veracidade das pessoas, mas não desta maneira humilhante!

    Amigo , bons sonhos...mas não com a idiota da Helena , senão seriam pesadelos

    ResponderEliminar
  6. O procedimento é, obviamente, um atentado à dignidade da mulher. Estranho é que mesmo uma mulher como Helena Matos, pela qual não tenho a mínima consideração, não seja capaz de se dar conta disso.

    ResponderEliminar
  7. O procedimento é, obviamente, um atentado à dignidade da mulher. Estranho é que mesmo uma mulher como Helena Matos, pela qual não tenho a mínima consideração, não seja capaz de se dar conta disso.

    ResponderEliminar
  8. Uma parvalhona a armar-se aos cágados!!!!

    ResponderEliminar
  9. E o que mais estaremos para ver e ouvir.
    M.A.A.

    ResponderEliminar
  10. Essa ideia peregrina é das coisas mais estúpidas e ofensivas que ouvi na vida

    ResponderEliminar