quarta-feira, 11 de março de 2015

Mágoas de Março (2)



Faz hoje 11 anos . Entre as 7h37m e as 7h40m, dez bombas explodiram em quatro comboios na linha suburbana que liga  Alcalá de Los Henares  ao coração de  Madrid (Atocha). O balanço final de 191 mortos, mais de 1800 feridos  e a violência do ataque reivindicado pela AlQaeda, perturbou-nos a todos e deixou-nos mais inseguros. 
Quinze pessoas foram condenadas  a penas pesadas, mas o medo de novos ataques nunca se desvaneceu na Europa. O último foi em Janeiro, em Paris, na redacção do Charlie Hebdo.  Outros se seguirão, mas não sabemos onde nem quando.
Apesar de assustada  a  Europa continua esquizofrénica , obcecada em impor o pensamento único. Não hesita, por isso, em expulsar um dos seus – por coincidência aquele onde a democracia deu os primeiros passos-  para garantir a sobrevivência do sistema financeiro. Pouco importa que estejam a ser condenadas à fome milhões de famílias europeias e alguns milhares morram, vítimas das medidas de austeridade.  Os líderes europeus  apenas se impressionam  com as mortes violentas  que provocam grande impacto e têm ressonância internacional.
Condenar à fome e à morte lenta milhares de cidadãos, com medidas de austeridade, é apenas um pormenor. Hitler também pensava assim quando incinerava judeus em Auschwitz.

6 comentários:

  1. A ditadura económica não parece tão ditadura quanto as outras, mas não deixa de o ser...

    Beijinhos

    ResponderEliminar
  2. Carlosamigo

    Belíssimo Texto!n Aplaudo e concordo.

    Abç

    ResponderEliminar
  3. O meu aplauso sincero, amigo!

    Bom serão desejo-

    ResponderEliminar
  4. Muito bem, Carlos. Subscrevo! Especialmente os dois últimos parágrafos. Já disse e escrevi isto várias vezes: a Frau da direita da Alemanha é bem a herdeira do tetravô Adolf e quer tirar vingança das duas derrotas que levaram no século passado.

    ResponderEliminar
  5. Enquanto os atingidos não forem os donos disto tudo , estão pouco incomodados.
    M.A.A.

    ResponderEliminar
  6. Uma data que parece amaldiçoada, Carlos.
    Ainda hoje arrepia olhar estas imagens

    ResponderEliminar