segunda-feira, 9 de março de 2015

Festival da Canção

Nos anos 60 não perdia um Festival da Canção. Era um momento alto no panorama televisivo e musical do país.
Nos primeiros anos em família, depois com amigos, a noite do Festival era sempre programada com antecedência. Lembro-me de alguns anos em que organizávamos votações, cujos resultados não coincidiam com as escolhas dos juris. 
Recordo ainda muitas das canções vencedoras e perdedoras dos anos 60 e 70, mas antes do 25 de Abril dois momentos guardo na memória: a Desfolhada de Simone e a Tourada de Fernando Tordo. Sem esquecer, obviamente, a canção de Paulo de Carvalho, que serviu de senha ao 25 de Abril.
Este ano, pensei assistir ao Festival. Tinha especial curiosidade em ver os desempenhos de Adelaide ferreira e Simone de Oliveira. Esqueci-me das eliminatórias e no dia da final tinha melhor programa do que ficar diante de um ecrã de televisão.
Ontem à noite, enquanto navegava na Internet, ouvi acidentalmente a canção vencedora e dei por mim a pensar: se esta era a melhor, como não seriam as outras? 
Hoje, soube que a miúda que ganhou tem grandes expectativas de vir a ganhar o Festival da Eurovisão. Eu sei que tudo é possível, mas uma carinha laroca não chega. É preciso ter voz e uma música que entre no ouvido. Não vi nenhuma dessas características na intérprete, nem na canção. Talvez me engane, mas desconfio que nem à final vamos. A não ser que o senhor Schaueble- para recompensar o beija mão da Marilú- meta uma cunha...

5 comentários:

  1. Carlos, nem sabia que havia festival, mas como ao domingo, não há nada que preste, passei pelo canal 1 e, andando com auscultadores pela casa, como me pareceu ouvir a voz do Júlio Isidro, vim ver ao que tinha-mos voltado. Fiquei assustada com as canções e o aspecto dos concorrentes. Então o penteado da segunda deixou-me estarrecida. Foi uma miséria pegada. A que ganhou até foi a melhor e mais apresentável. Houve boas canções nos nossos festivais. Mas só a Espanha votava em nós porque estávamos orgulhosamente sós. Lembro-me de muitas mais do que aquelas que citou. E lembro-me da primeira vez que entrámos no festival com uma canção chamada "Oração", interpretada por António Calvário, a quem chamaram maricas, porque a camisa tinha folhos. E quem ganhou nesse ano foi esta famosa canção que muita fama obteve: https://www.youtube.com/watch?v=PtbW7zYmYfM.

    ResponderEliminar
  2. Carlos, nem sabia que havia festival, mas como ao domingo, não há nada que preste, passei pelo canal 1 e, andando com auscultadores pela casa, como me pareceu ouvir a voz do Júlio Isidro, vim ver ao que tinha-mos voltado. Fiquei assustada com as canções e o aspecto dos concorrentes. Então o penteado da segunda deixou-me estarrecida. Foi uma miséria pegada. A que ganhou até foi a melhor e mais apresentável. Houve boas canções nos nossos festivais. Mas só a Espanha votava em nós porque estávamos orgulhosamente sós. Lembro-me de muitas mais do que aquelas que citou. E lembro-me da primeira vez que entrámos no festival com uma canção chamada "Oração", interpretada por António Calvário, a quem chamaram maricas, porque a camisa tinha folhos. E quem ganhou nesse ano foi esta famosa canção que muita fama obteve: https://www.youtube.com/watch?v=PtbW7zYmYfM.

    ResponderEliminar
  3. Já agora vale apenas reparar na boa dicção e ouvir a nossa primeira representação: https://www.youtube.com/watch?v=avK0zW4LRwg

    ResponderEliminar
  4. Portugal nem tem condições para ganhar essas competições, Carlos.
    Há muitos jogos por fora nos quais somos muito fraquinhos

    ResponderEliminar
  5. O lobo Schäuble perdeu completamente o interesse pelas mulheres desde que o SEXY GREGO entrou em cena.

    ResponderEliminar