quarta-feira, 25 de fevereiro de 2015

Preocupado, obviamente



Ontem manifestei alguns receios sobre abusos na justiça, aventando a hipótese de se ter iniciado uma caça às bruxas.
Juristas, advogados e comentadores de direita têm manifestado publicamente a sua preocupação pela forma como decorreu a detenção e afirmado que se trata de uma detenção ilegal. Tal como eu, não contestam a possibilidade de Sócrates ser culpado, mas sim as constantes e selectivas fugas de informação e o facto de ter sido detido para investigação, sem que tenham sido respeitados os mais elementares princípio de um estado de direito. Como, aliás, ficou bem claro no artigo da advogada Paula Lourenço no boletim da Ordem dos Advogados.
Hoje, em entrevista ao Público e à Radio Renascença, a Procuradora Geral da República foi questionada sobre algumas das questões que aqui coloquei ontem e, confesso, as suas respostas não me deixaram nada tranquilo.
Finalmente, a  auditoria  independente realizada ao DCIAP traça um  retrato da justiça em Portugal que deixa qualquer cidadão preocupado, como muito oportunamente a Estrela Serrano lembra
Obviamente, há razões para estar preocupado com a justiça, quando vejo que, além do que é visível em relação aos procedimentos, se põe  em causa o regular funcionamento de uma importante  instituição como  o DCIAP, onde o pessoal da investigação é escolhido através de rigorosos critérios de amizade pessoal.

7 comentários:

  1. Complicado mesmo o sistema de Justiça em Portugal...
    Ver a polémica actual entre a Procuradora Geral da República
    e a Presidente da Ordem dos Advogados!!!...
    Acho que isto dificilmente mudará!!!
    Um abraço
    Irene Alves

    ResponderEliminar
  2. Estamos perante um sistema judicial com dificuldade em (res)surgir.
    Estranho, ou mais que isso.

    ResponderEliminar
  3. Esse critério do panguianato ainda é o que me preocupa mais.
    Amigalhaço e com cartão de cor correcta afasta competência e profissionalismo???
    Estamos mal....

    ResponderEliminar