quinta-feira, 26 de fevereiro de 2015

Os Vampiros


Com a devida vénia ao We Have Kaos in the Garden

Não sei se o plano apresentado pelo Syriza e aprovado pelo Eurogrupo vai resultar. Não arrisco, por isso, vaticinar quem daqui a quatro meses vai cantar vitória, embora o meu palpite vá para um empate.
Sei é que ficou demonstrado que há alternativas para a política de ódio ao povo implantada pelo nosso governo e sempre apresentada como única alternativa.
Sei que o Syiza se recusou a penalizar os pensionistas e os trabalhadores gregos (nomeadamente os funcionários públicos) cortando-lhes os rendimentos, enquanto o nosso governo fez dos funcionários públicos e pensionistas as vítimas preferenciais da sua orgia austeritária.
Estes dois pontos fazem toda a diferença e são  suficientes para distinguir Portugal da Grécia, como o nosso governo de fanáticos gosta de afirmar. Para felicidade do povo grego, o governo do Syriza não  se  sujeita à submissão dos cobardes, não é servil como os incapazes, nem se coloca ao lado dos bancos e do grande capital para atacar quem trabalha.
Mas sei, também, que no dia seguinte ao acordo a bolsa de Atenas disparou dois dígitos e os juros baixaram para um dígito, o que demonstra que  o papão dos mercados que o governo e Cavaco nos andaram a exibir, não é mais do que o retrato de um grupo de vampiros que se apascentam em S. Bento e Belém, sugando o povo.
O governo grego teve de ceder? Obviamente que sim, mas fê-lo com dignidade e em defesa do seu povo, não para promoção pessoal de alguns dos seus membros, nem para agradar aos alemães, aos mercados e aos senhores do dinheiro, porque Tsipras e Varoufakis não precisam deles para arranjar emprego quando deixarem de ser governo.

6 comentários:

  1. O Governo grego até poderia ter sido obrigado a ceder ainda mais, mas o certo é que lutou enquanto Passos e seu bando foram além da Troika, empobreceram o país , desempenharam papel de foca amestrada e nada resolveram .

    Ora isso faz toda a diferença !!

    E como quem não se respeita não é respeitado e a situação grega está , por agora, resolvida, aí temos a UE a vigiar de perto Portugal : Roma não paga a traidores !

    Amigo, fica bem.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não é Roma que não paga a traidores.
      São as crianças que vão para a escola com fome. São os desempregados (milhão e meio), são os pobres (2 milhões), são os velhos que morrem nas urgências dos hospitais, são os trabalhadores sonegados nos seus direitos. São os Portugueses. Não serão esquecidos por todo o mal que têm feito. Se os homens os não julgarem serão julgados pela História. TODOS. D'Albano

      Eliminar
  2. ~ ~ Pois, hoje, li num blogue amigo que o tiro lhes saíu pela culatra!!

    ~ A leitura que fazem de resoluções penosas dos líderes dum povo desesperado.
    .

    ResponderEliminar
  3. A Grécia não é, de facto, Portugal, onde um governo de celerados é eleito e suportado.

    ResponderEliminar
  4. A Grécia não é, de facto, Portugal, onde um governo de celerados é eleito e suportado.

    ResponderEliminar
  5. Carlos,
    O problema foi terem-se criado demasiadas expectativas acerca do resultado que o governo grego conseguiria.
    Obviamente nunca iria conseguir tudo o que pretendia.
    Conseguiu alguma coisa.
    Mias não seja agitar uma Europa balofa e ensonada.
    Já terá valido a pena só por isso.

    ResponderEliminar