quinta-feira, 26 de fevereiro de 2015

O chibo, o imprevidente e o envergonhado


As declarações de António Costa durante uma reunião com empresários chineses e a celeuma  que se seguiu,  não mereceriam senão uma nota de rodapé, se não reflectissem o estado lamentável a que chegou a discussão política em Portugal. Só por essa razão decidi escrever sobre o assunto. Vamos por partes:

 As declarações de António Costa

Ao contrário do que a comunicação social noticiou, António Costa não disse que Portugal estava melhor. Disse que estava diferente, o que é uma verdade. Talvez alguns esperassem que o secretário geral do PS  tivesse aproveitado a oportunidade para denegrir Portugal e o governo perante os empresários chineses. Tivesse ele chamado a atenção dos chineses para os números do desemprego, para o aumento da dívida pública, ou para os riscos de investir em Portugal e os mesmos que agora o atacam por ter, com sentido de estado, defendido os interesses de Portugal, estariam a exibi-lo em praça pública como um traidor, que anda a denegrir o nome do país. 
António Costa não pertence a esse filme. Os traidores estão no governo, não na oposição. 
Deverá então Costa ser ilibado do que se passou no casino da Póvoa? Não. Porque foi imprevidente. Não nas palavras usadas, mas em não ter previsto que entre os presentes poderia haver gente interessada em utilizar as suas palavras que. António Costa tem experiência suficiente para saber que nestas ocasiões há sempre um chibo que só lá vai para tentar tirar proveito de algumas declarações, e jornalistas para deturpar o que foi dito, pois o que passa para a opinião pública não são os factos (o que Costa disse) mas a interpretação feita pelos mensageiros e ampliada à exaustão.  

O Chibo e o Betinho de Joane

Na sala estava um chibo. Muito provavelmente um militante do CDS que, desejoso de mostrar serviço ao partido para se promover, viu nas declarações de António Costa uma oportunidade de ouro. No final da sessão guardou as filmagens como se de um tesouro se tratasse e foi mostrá-las a um influente membro de uma concelhia ou distrital, que também terá visto naquilo um tesouro de que poderia aproveitar-se para “subir a pulso” na hierarquia partidária.
Admito que as imagens tenham chegado a Paulo Portas. Só que o líder do PP é  um político hábil e cauteloso.  Sabia que não podia ser ele a utilizar aquela informação, pois  teria um efeito boomerang.  Por isso recorreu a um capanga, para que a veiculasse. Ponderadas as várias hipóteses, decidiu que o melhor seria recorrer aos serviços do betinho de Joane.  ( É essa a explicação para que o vídeo tenha sido divulgado apenas seis dias depois da ocorrência dos factos ). Apesar de ter nascido em berço de ouro, Nuno Melo esqueceu a educação que recebeu e tornou-se um escroque da política.  Desde que percebeu que o seu lugar de delfim de Portas não lhe assegura a presidência do CDS, porque outros nomes como Cristas ou Mota Soares, aproveitando os cargos ministeriais, entraram na corrida,  Nuno Melo está disposto a tudo. Por isso engoliu o isco lançado por Portas e aproveitou o vídeo do chibo para mostrar serviço.  Dentro e fora do partido. Creio que de pouco lhe valerá.

O envergonhado

Devo confessar que também eu me irritei quando soube que Costa tinha dito que o país estava melhor do que há quatro anos. Só que depois vi o vídeo e constatei que afinal ele não tinha dito o que a imprensa escrevia. E concordei com ele. O país está realmente diferente. Isso não quer dizer que esteja melhor.  Que o país está diferente, já todos sabemos. Mais pobre, mais endividado, mais desigual, mais injusto e com uma taxa de desemprego mais elevada. Apenas numa coisa permanece igual:na ausência de esperança no futuro.
É por isso que, embora percebendo a reacção epidérmica de Alfredo Barroso, não compreendo a sua desfiliação do PS.  Será provavelmente cansaço e desesperança. Agora vergonha? Não. Vergonha tenho de ser português sob jugo alemão e ver, todos os dias, uma trupe de cobardes e traidores prestarem vassalagem ao invasor, enquanto maltratam o povo.
Era contra isso que eu gostaria de ter ouvido Barroso reagir. Mas isso é  ingenuidade minha. Uma pessoa que anuncia a desvinculação do PS, de que foi um dos fundadores, e declara o seu apoio ao BE, já não está na plenitude das suas capacidades políticas. E isso, confesso, surpreende-me, porque ainda há poucos dias concordava com ele quando se insurgia contra o possível apoio do PS a António Vitorino, como candidato a PR.  Como também estaria ao seu lado nas críticas, se o PS, vier a apoiar Maria de Belém. Ou na luta para obrigar o PS a aliar-se à esquerda, se  ganhar as eleições.
Agora, meu caro Alfredo Barroso, se conseguiu permanecer no PS sob a liderança de Seguro, confesso que não entendo a razão de se demitir por causa de uma armadilha que um betinho de Joane, com o apoio de um chibo e da comunicação social, montou ao seu partido.  Sinceramente, nunca me passou pela cabeça que, com a sua experiência política, tivesse caído na ratoeira.  E, acredite, digo-o com a independência de quem,  sendo simpatizante intermitente do PS, não é militante nem está vinculado à defesa da linha programática do partido.
Só há uma coisa que eu gostaria que me explicasse: a sua vergonha deve-se ao facto de a declaração de António Costa ter sido proferida perante uma plateia de chineses? 
E se os assistentes fossem ingleses ou americanos já tolerava? 
Faço-lhe a pergunta, porque foi isso que percebi das suas declarações acintosas contra os chineses. Sinceramente, não gostei. 

10 comentários:

  1. Caro Carlos.
    De facto também fiquei baralhado e até irritado com o que veio a publico. Acredite que ainda não tinha encontrado nada tão esclarecedor como este seu post.

    Abraço
    Rodrigo

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigado, Rodrigo. Embora nos encontremos quase diariamente no FB, é um prazer receber a sua visita.
      Abraço

      Eliminar
  2. E o comentário que o anormal escreveu sobre o ano da cabra?! Acho que ele tem mais arte para ser ele o cabr@o, porque nem para galã já serve. Desde que serviu chazinho ao ladrão do BPN, que se fartou de gozar com ele, depois de se ter enchido o papo à nossa custa, julga-se uma pessoa importante. Mas é triste vê-lo que em qualquer debate onde participa, a resposta é sempre a mesma, porque não tem argumentos nem capacidade para mais. este é o link do artigo dele, caso não tenha lido: http://economico.sapo.pt/noticias/confissoes-do-ano-da-cabra_212555.html.

    Desculpe a linguagem, mas eu já não tenho paciência para pedagogias. Em vez de andar de um lado para outro prefiro gastar o meu tempo a informar-me melhor, e tenha de engolir muito sapo, por certas coisas que oiço.Não são jornais como o Económico, cm, observador, ou telejornais que nos informam. Aí só defendem a voz do dono.

    É verdade o que diz, mas acho que António Costa se devia resguardar mais, porque como as coisas estão, uma coisa que se diz hoje amanhã já não é válida. Tudo que ele dizer será usado contra ele. A guerra está aberta e a canalha tem de usar todas as armas, para bloquear ainda mais o zé povinho e confundir os outros. O Barroso também sempre foi muito impulsivo, apesar de ser muito culto. Uma vez, no frente a frente, com a varina Teresa Caeiro iam chegando a vias de facto.

    ResponderEliminar
  3. God is love! :heart: Catholic blogwalking :-) http://emmanuel959180.blogspot.in/

    ResponderEliminar
  4. Mantenho o que aqui comentei, Carlos - quanto menos Costa falar, melhor será para ele.
    A propósito do chibo - tem a certeza que não foi ninguém do PS??
    Olhe que eu conheço pessoalmente uma série de militantes do PS (simpatizantes do Seguro) que estavam prontinhos a fazer esse papel.

    ResponderEliminar
  5. Eu também conheço. Infelizmente há chibos por todo o lado e António Costa não pode ficar refém dessa gentalha. Se fala é porque fala, se se cala é porque se cala. Se não diz nada é porque não tem idéias se diz tem idéias a mais. Carlos, um texto excelente e perdoa-me a linguagem mas tem dias que só me apetece dizer putakospariu!!

    ResponderEliminar
  6. é preciso dar muita voltinha e amar muito o partido para se dizer que Costa não disse o que disse.

    é a lógica da claque e da defesa do clube. pelo caminho até se bate no desgraçado do seguro (ai dele, em outros tempos) e no barroso por dizer que o rei vai nu e no osso.

    ResponderEliminar
  7. Então mas se Costa não disse nada de mal de que é que o chibo se chibou?

    ResponderEliminar
  8. António Costa dixit: «Muitos não acreditaram que o país tinha condições para vencer a crise, os chineses vieram e deram um grande contributo para que Portugal pudesse estar hoje na situação que está, bastante diferente da que estava há 4 anos»

    António Costa não disse literalmente que o país está melhor. Mas facilmente se deduz deste discurso isso mesmo, dê ele as voltas que quiser dar.

    Mas isso quanto a mim não é o mais grave. Concordo inteiramente com o João Garcia do Expresso, fazendo minhas as palavras dele que passo a transcrever:
    «Mas, desculpem-me discordar, o "bastante diferente" não será mais do que uma gaffe. Pior, bem pior, porque pode reflectir convicção política, foi dizer que os investimentos chineses em Portugal acontecem por amizade. Os "amigos são para as ocasiões", disse o secretário-geral socialista antes de "agradecer à China todo o apoio que nos deu". Costa sabe que o principais investimentos chineses são do Estado chinês através de empresas de testas de ferro e não desconhece que o Estado chinês só é amigo de si próprio e inimigo dos direitos humanos. Isto não é um frango. É um assunto sério. É uma amizade que dispenso».

    ResponderEliminar