terça-feira, 3 de fevereiro de 2015

O Cavaco do Meco

João Gouveia faltou ontem ao debate instrutório do caso Meco.Como os meninos da escola primária, apanhados a fazer uma asneira, mandou o pai. 
Aos jornalistas, garantiu que o filho não foi para não enfrentar os pais das vítimas, porque estava farto de ser insultado.
O silêncio do dux  João Gouveia não é muito diferente do de Cavaco no caso BES. O PR também diz que não tem nada a dizer sobre as reuniões com Ricardo Salgado, porque as audiências presidenciais são sigilosas. 
O erro de ambos é pensarem que estão acima de qualquer suspeita e não têm obrigação de falar. João Gouveia é acusado de ser co-responsável pela morte de sete colegas da Universidade Lusófona. Acredito na sua verdade mas, se não tem qualquer responsabilidade, o seu silêncio é incompreensível. 
Cavaco é acusado pela opinião pública de ter enganado centenas de portugueses que acreditaram nas suas declarações sobre a segurança do BES. Escuda-se na mentira, dizendo que nunca falou sobre o BES. Mais valia ter-se remetido ao silêncio como João Gouveia. Os portugueses continuariam a criticá-lo mas- apesar de saberem que Cavaco jurou falso quando jurou cumprir a Constituição-  não tinham argumentos para lhe chamar aldrabão no caso do BES. Continuariam a pensar, simplesmente, que  Cavaco é um acto falhado.

5 comentários:

  1. Gouveia estará a seguir os conselhos de alguém. Maus conselhos por sinal.
    Cavaco terá seguido os conselhos da sua consciência. E não se dá como arrependido.

    ResponderEliminar
  2. Atravessei a minha fase de est.universitária sem apanhar praxes.Aquilo que actualmente por aqui se vê , é degradante , não é compatível com o que se espera dos futuros quadros técnicos do país.
    Vi e aprecio uma série inglesa , Midsomer Murders , que tinha o enredo num colégio elitista , praxes e formação de grupos de cumplicidades para o futuro .Por ali , chego ao que se passou por cá e tanta culpa tem o ladrão da horta como quem fica à porta ...Mas, que por ali estava em formação algo de menos bom ,estava e só é pena o sobrevivente só ter tomates para ir de noite com um bando de seguidores e não ter a coragem de enfrentar a situação à luz do dia.
    Quanto ao dito cujo , que está lá a fazer rodeado de mordomias ? Vem dizer das duas e tal mil reuniões que já teve...olhe , é melhor do que alombar sacas de alfarroba e ficar com essa reforma. Cada um à sua maneira fizeram vítimas...Um tio meu que apesar de médico e muito culto ,tinha um fraco muito grande por essa gente deixou-se ir na cantiga deles...perdeu , incomodou-se , fatal.Ninguém me gabe , nem uns nem o outro.
    M.A.A.

    ResponderEliminar
  3. «João Gouveia faltou ontem ao debate instrutório do caso Meco.Como os meninos da escola primária, apanhados a fazer uma asneira, mandou o pai».

    Se calhar as coisas não são assim tão simples.
    Eu até acredito na inocência do «Dux», mas faço-o intuitivamente sem qualquer prova. O Mais provável é mesmo ter-se tratado de um acidente. Simplesmente os país dos alunos falecidos não aceitam a perda dos seus filhos de forma tão estúpida e querem à força assacar uma culpa criminal ao «Dux», para assim melhor lidarem com a dor. A posição do «Dux» até é compreensível, porque começa a não haver pachorra para isto.
    Lamento poder estar a ser bruto, mas é exactamente isto que penso.

    ResponderEliminar
  4. Admiro que não se condene, veementemente, o primitivismo rasca e chulo de qualquer tipo de praxe. Os praxistas que praxem a mãe,e o pai,se sabem quem é. Os que se submetem a essas práticas, já foram iniciados em casa nas artes da submissão,que o respeitinho é muito bonito,amen!

    ResponderEliminar