quarta-feira, 4 de fevereiro de 2015

A privatização dos transportes públicos




Muito se tem falado, escrito e comentado, sobre a privatização da TAP, que este governo de fanáticos pretende concretizar a breve prazo, perante a indiferença da maioria dos portugueses.
Já aqui manifestei a minha discordância sobre a privatização da TAP e lamentei a passividade tuga, mas está em curso uma onda de privatizações muito mais lesiva para o dia a dia dos portugueses, de que pouco se tem falado. Refiro-me aos transportes públicos de Lisboa e Porto. Trata-se de um crime sem nome que ameaça destruir  uma das grandes conquistas de Abril.
O que se avizinha num futuro próximo- assim que sejam concretizadas as privatizações- é o regresso à Lei da Selva em que cada uma das empresas concessionárias irá tratar da sua vidinha e dos seus lucros, menosprezando o interesse dos utentes.
Já temos o exemplo do desmembramento da Rodoviária  Nacional, que deixou populações inteiras privadas de transporte adequado, obrigando muitos cidadãos a fazer uma deslocação de um dia para tratar de um assunto que se resolve em meia hora, porque as operadoras rodoviárias só põem a circular viaturas de manhã cedo e ao final da tarde. Assim se diminuiu, por via indirecta, o acesso  das populações aos hospitais e centros de saúde, se infernizou a vida de crianças em idade escolar e se contribuiu para que muitas empresas encerrassem.
Concretizada a privatização / concessão das empresas de transportes públicos, teremos a supressão de carreiras, o aumento do preço dos passes, quiçá o fim dos passes intermodais que permitem acesso a vários transportes de forma articulada e assistiremos (indiferentes?) à entrada em vigor do sistema de transportes públicos exclusivamente voltados para o lucro. 
E talvez se concretize a proposta de Álvaro Santos Pereira, de redução dos itinerários do Metro a partir das 21 horas, deixando populações como as da Amadora, Odivelas, ou mesmo Lumiar e Benfica, sem metropolitano a partir daquela hora.
O caminho faz-se caminhando e Sérgio Monteiro parece imparável na sua obstinação de destruir a rede de transportes públicos de Lisboa e Porto.


6 comentários:

  1. «Mundar o Mundo não custa muito, leva é tempo...»

    ResponderEliminar
  2. O lema deste governo tem sido, inequivocamente, a destruição e aniquilamento de todas as conquistas de abril... Estas fazem-lhes comichão!

    ResponderEliminar
  3. Receio que os utentes possam, também, vir a ser privatizados.
    O melhor é levar isto nas calmas, não vá sair chumbo e chamar uns quantos nomes aos homes (e mulheres) do poder.

    ResponderEliminar
  4. Até quando vamos assistindo a isto sem nos movermos ? :(

    beijinho amigo Carlos

    ResponderEliminar
  5. Sempre achei que os transportes públicos nunca seriam privatizados, precisamente porque são empresas que não dão lucro. Mas levando este furor de privatizações ao rubro, quando estes governantes são extremistas a este nível, é bem possível...

    Não devia ser permitido fazer privatizações 6 meses antes das próximas eleições. Que aliás deviam ser antecipadas, mas com o casmurro que mora em Belém... :P

    Beijocas

    ResponderEliminar
  6. Ao contrário da Teté, eu sei que as empresas de transportes públicos dão lucro.
    Eram tão conhecidos os Oiliveiras de Águeda, o José Maria dos Santos (Coimbra).
    Dá massa, dá!

    ResponderEliminar