terça-feira, 6 de janeiro de 2015

Uma oportunidade perdida

Como era previsível, "corrupção" foi eleita pelos portugueses como  a palavra do ano.  Corrupção é palavra tão velha como o tempo. Continuamos a pensar e a agir dentro da caixa. É esse comportamento que dá ao governo esperança de vir a ser reeleito em 2015.
Perdemos uma boa oportunidade de ser inovadores, escolhendo XURDIR. Apesar de tudo, 22% dos portugueses votaram nessa palavra, que obteve um honroso segundo lugar. São eles que ainda me permitem alimentar alguma esperança. 

11 comentários:

  1. Há muita gente que não gosta de fazer pela vida, ou mourejar. São esses 22% que ainda mantêm o país vivo, porque xurdem que nem escravos para os outros viverem da corrupção.

    ResponderEliminar
  2. Também não gostamos de pensar, só gostamos de trivialidades e de comentários banais. Por isso até o próprio criador, acha que há futilidade a mais, por isso propôs isto, coisa que até os americanos não gostam, porque sabem tudo e são os melhores do mundo:
    31.149.534 seguidoresFeed de notíciasMark Zuckerberg3/1 às 4:05 · Editado ·
    .My challenge for 2015 is to read a new book every other week -- with an emphasis on learning about different cultures, beliefs, histories and technologies.

    Thank you to all 50,000 of you in our community who gave me suggestions for different challenges.

    Many of you proposed reading challenges. Cynthia Greco suggested I read one book a month that another person chooses -- and got 1,900 likes on her suggestion. Rachel Brown, Bill Munns, Marlo Kanipe and others suggested I read... the Bible. My friend and colleague Amin Zoufonoun suggested I read and learn everything I can about a new country each week.

    I'm excited for my reading challenge. I've found reading books very intellectually fulfilling. Books allow you to fully explore a topic and immerse yourself in a deeper way than most media today. I'm looking forward to shifting more of my media diet towards reading books.

    If you want to follow along on my challenge and read the same books I do, I've created a page, A Year of Books, where I'll post what I'm reading. Please only participate in the discussions if you've actually read the books and have relevant points to add. The group will be moderated to keep it focused.

    Our first book of the year will be The End of Power by Moisés Naím. It's a book that explores how the world is shifting to give individual people more power that was traditionally only held by large governments, militaries and other organizations. The trend towards giving people more power is one I believe in deeply, and I'm looking forward to reading this book and exploring this in more detail.

    I appreciated all of your other suggestions for possible challenges as well. Many of you suggested I give money to help people in need -- and Priscilla and I fully intend to keep doing that through our philanthropic work. We'll have more to discuss there soon. Some of you suggested that I meet a new person every day. That was actually my challenge in 2013. Others suggested I teach a class. I've done that too, and I'd love to do it again and get more involved in education in the coming year.

    Thanks again for all of your suggestions, and I'm looking forward to a year of books!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Quando ontem li a notícia, pensei: se o homem conseguir por os americanos a ler e a pensar pela própria cabeça, é um génio. Agora fico com curiosidade de conhecer a lista de leituras dele.

      Eliminar
  3. É muito triste que tenha sido essa a palavra escolhida, Carlos.
    Sintomático, diria eu

    ResponderEliminar
  4. Eu votei em xurdir, por ser um regionalismo, pelas memórias que (me) evoca e por ser ser uma palavra a necessitar de adopção.
    Aproveito para lhe desejar um Bom Ano.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu também, Helena. Gosto da sonoridade.
      Obrigado e um excelente ano também para si.

      Eliminar
  5. Fui criada no seio de uma família onde toda a gente tinha muito que xurdir. Eu , que já estou aposentada , ainda tenho sempre muito que xurdir e só a trabalhar me sinto bem..XURDIR é o que todos precisamos.
    M,A,A,

    ResponderEliminar
  6. Pois a mim admira-me que Xurdir tenha ficado em 2º lugar. Afinal, quantas pessoas é que conheciam o termo?

    ResponderEliminar
  7. Foi um honroso segundo lugar... «xurdir» ganhou, consta já no vocabulário de muita e muita gente... e penso até que o segundo lugar lhe fica melhor que o primeiro pois a palavra não era conhecida... Bom Ano!...

    ResponderEliminar
  8. Seria difícil que não fosse "corrupção"; aliás já noutros, muitos, anos para trás, tem sido, mas há pessoas que se esquecem disso...

    ResponderEliminar