terça-feira, 27 de janeiro de 2015

A inversão de papéis numa Europa podre

Assinalam-se hoje 70 anos da libertação dos prisioneiros de Auschwitz. Estarão presentes muitos lideres europeus mas Putin, o presidente da Rússia cujo exército foi responsável pela libertação, não foi convidado. Ou seja : os carcereiros vão comemorar com os prisioneiros sobreviventes, mas quem os libertou não estará presente.  
Setenta anos depois os líderes europeus decidiram inverter os papéis, transformando os algozes em libertadores e o libertador em mau da fita, sem direito a ficar na fotografia. 
Uma Europa neste estado não augura nada de bom... Os selvagens que a lideram  são autistas sem memória, sem vergonha e sem respeito pelos cidadãos europeus.  Como diz Esther Mucznick, em muitas cabecinhas permanece o mesmo pensamento dos nazis. Eu acrescentaria que muitas dessas cabecinhas são lideres europeus.  
Entretanto, logo à noite, deve valer a pena ver o documentário "A noite cairá". É na RTP 1, às 23h30m. 

12 comentários:

  1. Nesta Europa é mais coerente termos carcereiros e prisioneiros do que libertadores...

    ResponderEliminar
  2. Subscrevo inteiramente o comentário anterior.

    beijinho amigo Carlos

    ResponderEliminar
  3. Penso que os judeus teriam feito bem se exigissem a presença da Rússia, mas dali também espera-se tudo, infelizmente. Tal como acontece com os actuais dirigentes da União Europeia, aliás.

    Não gosto de Esther M. , acérrima defensora das políticas israelitas para a Palestina !

    Amigo,bom serão :)

    ResponderEliminar
  4. Chamar libertadores ao exército vermelho, que impôs a meia Europa uma ditadura comunista durante décadas, chega quase a ser um eufemismo. Mas como lutaram ao lado dos aliados e derrotaram o nazismo, aceita-se perfeitamente que na actualidade a herdeira da URSS, a Rússia, fosse convidada, até porque em teoria não é uma ditadura.
    Por isso este «não convite» à Rússia, está mal, mais não seja porque tenta marginalizar a Rússia da cena internacional, o que é uma perfeita irresponsabilidade.

    ResponderEliminar
  5. Carlos, desculpe a ousadia, ma se não viu e tiver tempo veja a primeira parte deste programa: http://www.rtp.pt/play/p1772/e180778/Pros-e-Contras. Passe também pelo "Ladrões de Bicicletas" . Neste momento o JMFernandes está a aspergir a sua raiva sobre RPMamede no TVI24. O homem não consegue esquecer-se que foi corrido do Público. Agora tem um jornal on line, para defender a criança autista q é o pm q nos calhou em desgraça.

    ResponderEliminar
  6. Tem aqui o endereço do documentário "A noite Cairá". Só que não está legendado. Mas vale a pena guardar como documento histórico. Um povo que faz isto nunca devia ter perdão. Continuam bárbaros.
    https://www.youtube.com/watch?v=r5AoLJ_3R1I

    ResponderEliminar
  7. Uma decisão incompreensível, Carlos.
    A Europa quer-se inclusiva.
    E não é com gestos destes que se lá chega.
    As lições de Auschwitz que ainda foram aprendidas.

    ResponderEliminar
  8. Quanto ao filme «A noite cairá», comecei a vê-lo, mas tive que interromper ao fim de meia hora. Pareceu-me um filme de grande qualidade, sobretudo em termos históricos. Como sou subscritor de um serviço de TV paga que grava tudo para trás até 7 dias, conto retomar o seu visionamento.

    ResponderEliminar
  9. Vi o filme e não devia ter visto... Foi novidade ? NÃO. Só que , mal dormi a comparar aquele tempo com a actualidade...O povo malfeitor , continua a ser o mesmo , só que agora mais refinado....O club Bildeberg , escolheu alguns paises para fazer experimentalismos económicos e encher os bancos alemães..Depois , uma série de lacaios , começaram a dizer que andámos a viver acima das nossas posses , que descontamos para ter reforma , mas não essa reforma etc etc ...resultado , há fome , há desemprego ,, há sofrimento , vidas desamparadas , suícidios , e o que a gente sabe e vê...isto , quem não tem palas como os cavalos.Veja-se em quantos está concentrada a riqueza mundial , qual o aumento da pobreza e o desaparecimento da classe média que empobreceu . Isto é uma guerra , sem necessidade de campos de concentração , cada um em sua casa ou debaixo da ponte , a morrer só ou na urgência de um qualquer hospital. Quem não vir isto , ou não acordou ou é muito egoísta a olhar para o seu umbigo. É o que eu penso .
    M.A.A.

    ResponderEliminar
  10. Eu admirava-me como o grupo Impresa se tem mantido tão bem. Arranja mais sócios, acaba com algumas publicações, mas já sabia que o Dr. P. Balsemão era um dos membros permanente do tal grupo Bildeberg, que tem feito de nós cobaias, só que não queria falar nisso. Mas que é estranho é. Até a linha editorial anda tão por baixo e aquele J. G. Ferreira e outros comentadores têm me deixado a pulga atrás da orelha. Agora até a informação da TVI24 critica mais o governo. O Paulo Magalhães está a ser um bom jornalista. Eu que não vejo o generalista desde que passou a ter a casa dos
    segredos, ou sei como se chamava.

    ResponderEliminar