sexta-feira, 30 de janeiro de 2015

Os contos de crianças explicados a um mitómano

A agência Bloomberg - em editorial intitulado Os esquerdistas malucos da Grécia têm uma boa ideia” – defende a recuperação económica da zona euro através do alívio da dívida dos países mais atingidos pela crise;
No  editorial - Greece's Agonized Cry to Europe- o New York Times avisa a Alemanha " e outros países europeus" que deve perceber a mensagem vinda das eleições gregas e persistir no erro será mau para a Grécia mas, sobretudo, perigoso para a União Europeia;
Ainda no New York Times, Paul Krugman escreve  um artigo (  Ending Greece's Nightmare) que o plano económico do Syriza é mais realista que o da troika  que classifica como "uma fantasia"  Krugman defende mesmo que o programa do Syriza devia ser mais radical;
Na Deutsche Welle, estação de rádio e televisão alemã, pode ler-se um artigo de opinião assinado por Jasper Sky ( Solidarity with Greece makes economic sense)que  aconselha a Alemanha a ser solidária com a Grécia e os países do sul e acusa a Alemanha de ser antidemocrática, por não aceitar o resultado das eleições gregas;
Também  o governador do Banco de Inglaterra critica a política de austeridade imposta pela troika  e alerta que a recusa de os países ricos em ajudarem os países pobres, arrisca mergulhar a Europa numa nova década perdida
Entretanto, por cá, o emérito economista Passos Coelho -que tirou um curso por correspondência aos 40 anos -  diz que o programa do Syriza é um conto de crianças. 
Para tornar tudo mais claro anuncia a recusa em participar numa conferência euopeia sobre renegociação da dívida, proposta por Tsipras, acolhida de imediato pela Irlanda e encarada como uma hipótese interessantes pela França e pela Itália.
 Já não se trata apenas de subserviência. É o reconhecimento  de que se vendeu à Alemanha e os portugueses são meros empecilhos que o atrapalham. 

9 comentários:

  1. A posição do Coelho é vergonhosa. Vergonha para ele e para o país que o suporta. Rua!

    ResponderEliminar
  2. A posição do Coelho é vergonhosa. Vergonha para ele e para o país que o suporta. Rua!

    ResponderEliminar
  3. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  4. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  5. Coelho anunciou a recusa em participar na conferência. O homem faz lá alguma falta?
    Além disso, quem é o prestidigitador de Massamá?

    ResponderEliminar
  6. Pobre é o País e o seu Povo,quando à frente dos seus destinos, tem um governo composto por uma seita de CAPACHOS!Miguel de Vasconcelos,tinha sonhos castelhanos.Pedro Passos Coelho,delira com a hipótese de um dia se tornar cidadão alemão, reconhecido e condecorado.Eu,anseio vê-lo morrer longe!(...)

    ResponderEliminar
  7. ~
    ~ ~ Um palhaço trapalhão que finge dignidade!!

    ~ Num país em que ela é negada aos pobres e desempregados,
    que não possuem dinheiro, nem para pagar remédios.

    ~ PS ~ Que me desculpem os dignos actores cómicos.
    .

    ResponderEliminar
  8. Sobre as parangonas dos jornais internacionais, de um modo geral concordo.
    Sobre o Passos, digo o seguinte: Na realidade ele licenciou-se aos 37 anos, mas vai dar quase ao mesmo. O que me choca no Passos Coelho e no PSD, é que quase nunca pensam pela sua própria cabaça, brindam-nos sempre com tretas destas: «Não tenho ou não temos posição definida ou tomada», «Vamos debruçar-nos sobre o assunto» etc. Neste caso concreto confirma-se precisamente isso. O Passo quer agradar à Merkel, quer ser mais papista que o Papa, e acaba por portar-se como um reles cabotino.

    ResponderEliminar