terça-feira, 20 de janeiro de 2015

Justiça sob suspeita

Ontem, o director do JN insinuava que o juiz Carlos Alexandre e o procurador Rosário Teixeira serão responsáveis pelas fugas de informação para a imprensa.
Conheço Afonso Camões e não acredito que ele faça essa afirmação gratuitamente. Ele  não correria o risco de ser desmentido, se não tivesse provas do que escreve.E a verdade é que até agora não houve qualquer reacção dos visados.
Todos desconfiamos da justiça, porque os seus agentes não se cansam de nos dar provas de que  não podemos confiar na isenção das suas decisões. Mais estranho é constatar que, dentro da justiça, haja quem também tenha sérias dúvidas sobre a imparcialidade das decisões tomadas pelos seus agentes. Pelo menos é a conclusão racional que se extrai, quando um jornal noticia ( sem desmentido do visado) que o procurador exige assistir ao sorteio de um juiz. Se faz essa exigência, é porque admite que há juízes que podem não cumprir a lei e decidir em função de outros factores.
Ora se eles duvidam uns dos outros, ainda mais razões temos para duvidar deles. 
E neste caso concreto, crescem as dúvidas: será a prisão de Sócrates uma vingança, uma encomenda ou simples exercício de humilhação?

10 comentários:

  1. Rosário Teixeira e Carlos Alexandre não me merecem nem respeito nem consideração e muito menos gratidão.

    Encarniçam-se contra Sócrates , mas nada fizeram acerca dos corruptos dos submarinos...Além disso, quem não confia não é de confiar e , nete csao, lá sabe o que fez e se passa na Justiça.

    Amigo, fica bem

    ResponderEliminar
  2. Como se diz na minha terra " não se deve confiar em fracas bestas".
    Eu não confio nestes meretíssimos. Um dia , vai-se saber.
    M.A.A.

    ResponderEliminar
  3. Meu caro, Carlos de Oliveira:se em Portugal,Justiça é algo que nunca existiu como é que pode estar sob suspeita?Se alguém tinha duvidas,façam o favor de me fazer um enorme desenho porque,de à muitos,muitos anos que eu sinto e penso que acerca do sistema judiciário português só existem dois entendimentos:o entendimento daqueles a quem sempre serviu( Capelos e afins)e o daqueles que sempre o desprezaram por falta de confiança e de credibilidade todos os dias demonstrada nos pequenos e grandes actos dos seus comportamentos e atitudes.Este é um grande país de marinheiros(Submarinos),de lavradores(Sobreiros),de empresários(Fundos comunitários),de banqueiros(BCP,BPN,BPP e BES) e de abridores de portas e portões e de muitos furões e aldrabões!(...)

    Estão faltando Vozes de Escritores,Poetas,Cantores e Trovadores e alguns(MUITOS)bofetões e encontrões...

    Amigo,Grande Abraço.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tem toda a razão. Também penso assim.

      Eliminar
    2. Tem toda a razão, mas acho, que deve ter sido um morgado deserdado, para falar dessa maneira. E já agora peço desculpa, mesmo apesar da rude maneira que escrevo, fico possessa quando vejo o verbo "haver" tratado desta maneira.

      Eliminar
  4. Então a PGR não o mandou arranjar um advogado para procurar justiça? Quando chegamos a isto que mais há a dizer?

    ResponderEliminar
  5. O problema é a raqzão porque Afonso Camões não diz claramente que, ao transmitir-lhe que o Sócrates ia ser detido, o Ministério Público estava a armar uma ratoeira.
    Todos se recusam a por a questão nesses moldes.
    Por que razão o MP ia avisar o amigo do Sócrates?
    Para poder depois dizer que o Sócrates já sabia.
    E o Afonso Camões sabe-o bem.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Há qualquer coisa que lhe está a escapar, MCN. Quem avisou Afonso Camões foi um jornalista do CM, não foi o MP.

      Eliminar
  6. Afonso Camões, como o Carlos sabe, é muito conhecido por estas bandas.
    Nem sempre pelos melhores motivos, diga-se em abono da verdade.
    E mais não digo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sei disso muito bem, Pedro. E foi em Macau que o conheci. Agora, uma coisa eu sei: não é maluco para fazer acusações de tão extrema gravidade sem ter um mínimo de fundamento...

      Eliminar