sexta-feira, 9 de janeiro de 2015

E a Europa a vê-los passar...

Mais de 30 países latino-americanos estão hoje reunidos em Pequim, com governantes chineses. 
Mais uma prova do desfasamento da Europa face à realidade geopolítica das duas últimas décadas. Enquanto vai definhando atolada em problemas internos centrados no dinheiro e nos mercados que corroem os seus alicerces democráticos, a Europa deixa-se ultrapassar pela China numa região do globo onde teria mais facilidade de implantação.
Quando vivi na América Latina, nos anos 90, era já percepotível a crescente influência da China e Coreia naquela região. Aliás, foi a circunstância de me ter apercebido disso quando trabalhava em Macau, que me levou até àquelas paragens. 
António Guterres foi dos primeiros líderes europeus a perceber a importância da América Latina e  a promover uma aproximação a países como a Argentina, Uruguai ou Colômbia. A inexistência de uma estratégia europeia nas relações com os países latino americanos permitiu um crescente envolvimento da China e o afastamento progressivo da Europa.
Não surpreende por isso ninguém que Dilma Roussef,  no discurso de tomada de posse,  tenha colocado as relações com a Europa nas últimas prioridades do seu governo. 
Sinceramente, não percebo a surpresa do professor Marcelo. Apesar de ir tantas vezes ao Brasil, deve andar muito distraído. Será com as brasileiras, ou com as fazendas do amigo Ricardo Salgado onde luxuosamente passa as suas férias ( claramente acima das suas possibilidades)?

6 comentários:

  1. Estranha forma de estar, a do nosso País.
    Noutros tempos, criticava-se Salazar por nos manter isolados do resto do mundo. Actualmente, escolhemos mal os nossos parceiros. O que pode levar-nos a um quase isolamento.
    O que será pior?

    ResponderEliminar
  2. E o pior de tudo ainda, é que a UE criou estruturas (teias) de tal modo complexas, pensado ela que seria para se proteger, acabaram por tirar toda a autonomia aos países que a integram. Consultar esta página; http://publications.europa.eu/code/pt/pt-390500.htm
    E pior ainda, nos Orgãos mais relevantes, estão senhores que aprenderam todos na escala do Goldman Sachs.
    Também vale a pena ler este artigo dum grande economista, que sempre nos alertou para o perigo do euro, por causa da equivalência que foi dada à nossa moeda.
    http://pagina1.sapo.pt/detalhe.aspx?fid=262&did=174255&number=8463
    Quando leio isto fico doente por causa do que a Alemanha e a França, fizeram à Grécia aquando do primeiro resgate, em condições miseráveis e que não foi nada para eles, mas sim para pagar as dívidas à Alemanha, dentro delas a imposição da compra de 6 submarinos, e muito mais,assim como à França. A Grécia acabou por ficar praticamente sem nada para ela. E hoje a Frau Merk diz que já não é muito importante a bancarrota na Grécia, porque a Alemanha já não está muito exposta à dívida grega. É preciso não ter vergonha!

    ResponderEliminar
  3. Convém lembrar que a dívida grega hoje representa 175% do seu PIB e que os gregos já perderam, em média, 25% do seu poder de compra. Como é que eles vão sobreviver. Isto vai acabar mal. Se na primeira acabou o Império Austro-Húngaro, na segunda criaram artificialmente, ou dividiram, uma porção de países que não tinham nada em comum no médio oriente. O que acontecerá agora? http://www.saraiva.com.br/a-loucura-de-churchill-os-interesses-britanicos-e-a-criacao-do-iraque-moderno-1413979.html

    ResponderEliminar
  4. É só para perguntar:
    Mais de 30 países latino-americanos?
    Olho de olhos fechados para localizar no mapa países da américa latina e só consigo descortinar prá i metade, mas tantos não.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Se olhar para o mapa, vai ver que encontra muitos mais. A América Latina não é apenas os países da América do Sul.

      Eliminar