domingo, 25 de janeiro de 2015

A Europa vai mudar?

Não tem outra alternativa. Pelo menos em relação à Grécia, vai ter de fazer algumas cedências. Se optar pelo braço de ferro e obrigar a Grécia a sair do euro, a Europa desmembra-se. Com todas as consequências que se adivinham e já conduziram a uma guerra mundial.
Mas se as coisas mudarem para a Grécia, não significa que melhorem em Portugal. Pelo menos enquanto tivermos este governo de lambe botas, nitidamente descoroçoado com a vitória do Syriza e a pedir à Europa mais vergastadas nos malandros dos portugueses  para que continuem a ser alunos obedientes e exemplares.

3 comentários:

  1. Para mudar é preciso
    um "pouco" mais que isso

    ResponderEliminar
  2. A Grécia é pioneira na mudança que a Europa vai ter que sofrer, Carlos.
    Não será uma alteração brutal, mas será uma mudança de paradigma profunda.
    Por aqui, o que a malta sabe é que o euro passou das quase 11 para as 8 patacas.
    Porquê??
    Querem lá saber!!

    ResponderEliminar
  3. «A Europa vai mudar?»

    Acho que a questão, pelo menos no imediato, não é verdadeiramente essa, mas antes: A Grécia vai mudar?

    Para a Grécia vejo 3 cenários:

    1.º Cenário: Um governo Tsipras ao estilo do PT de Lula da Silva. Este governo faz uma política moderada e social democrata. Procura um compromisso com cedências mútuas com Bruxelas e o FMI. Penso que este cenário será o mais provável com uma probabilidade de 70%.

    2.º Cenário: Governo Syriza/IGregos Independentes, cai entre 6 meses a um ano. O choque com a realidade e a natureza desta coligação, aparentemente contranatura de um movimento de extrema-esquerda e de um partido de extrema-direita, causa tensões e contradições que fragmentam o apoio ao novo governo. Novas eleições. Diria que a probabilidade é de 20%.

    3.º Cenário: Saída da Grécia do Euro. O novo governo provoca a ruptura das negociações com o FMI e a UE e recusa-se a pagar a dívida, o que acarreta a saída da Grécia do Euro. Penso que é o cenário mais remoto e quase impossível, ainda assim tem 10% de hipóteses de se verificar.

    No entanto ao contrário de si Carlos, penso que uma hipotética saída da Grécia do Euro não teria um «efeito dominó». Há 2 anos talvez fosse como diz. Mas entretanto, Bruxelas e Berlim já se preparam para um cenário desses, cinicamente pensam o seguinte: «Se a Grécia sair do Euro é lá com ela, que se lixe a Grécia!».


    .

    ResponderEliminar