segunda-feira, 22 de dezembro de 2014

Espírito (pouco) natalício.

Quero lá saber que os tugas sejam muito generosos e solidários, sempre dispostos a contribuir em peditórios que enchem os bolsos dos merceeiros do Continente e do Pingo Doce.
Quero lá saber que os tugas adorem aliviar a consciência, brincando à caridadezinha. 
Qual é a importância desse gesto se depois reagem violentamente contra aqueles que fazem greves para defender o seu ganha pão ( e às vezes os interesses  do país) e não terem de viver do subsídio de desemprego ( quando há...) nem da caridade dos outros?

A Política do Natal




1. A conversa de taxista sobre política e políticos generalizou-se. Faz deles os responsáveis por todos os males. Está decretado que são e serão todos iguais.
Pela ausência de pensamento crítico, esta atitude é preguiçosa e perigosa. Certeiro é o aforismo: as mãos mais puras são as de quem as não tem. Não querer nada com a política é esquecer que ela, desde que nascemos até ao cemitério, nunca nos larga.
Descobri há 60 anos, com algum espanto, a apologia da política, precisamente ao começar o estudo da obra filosófica de S. Tomás de Aquino. No proémio do seu comentário à Política de Aristóteles observa: se a ciência mais importante é aquela que estuda o que há de mais nobre e mais perfeito, é necessário que seja a política a principal das ciências práticas e a matriz arquitectónica de todas as outras.
S. Tomás distinguia a política da religião, mas não a separava da ética, da “vida boa”, fruto da virtude e que exige instituições justas. Ele coordenava a ética e a política mediante a noção de justiça geral orientada para o bem comum, de todos e cada um. Ela exige a virtude da prudência no governante - virtude do recto agir nas decisões concretas – a qual também não dispensa nenhum cidadão.
Tudo isto exige mais do que os princípios comuns da chamada “lei da natureza”, pois eles não podem ser aplicados do mesmo modo a todos, devido à grande variedade das realidades humanas. A diversidade da lei positiva é exigida pela diversidade dos povos[1].
 Em geral, com um misto de medo e desprezo, os cristãos - de modo especial os católicos - inclinam-se para a passividade política.
O Papa Francisco, no seu programa pastoral, ”A Alegria do Evangelho” (n. 205), assume uma posição completamente diferente. Depois de avisar que não podemos confiar nas forças cegas e na mão invisível do mercado, pede a Deus “que cresça o número de políticos capazes de entrar num autêntico diálogo, que vise efectivamente sanar as raízes profundas e não a aparência dos males do nosso mundo. A política, tão denegrida, é uma sublime vocação, é uma das formas mais preciosas da caridade, porque busca o bem comum. Temos de nos convencer que a caridade é o princípio, não só das micro-relações estabelecidas entre amigos, na família, no pequeno grupo, mas também das macro-relações, como relacionamentos sociais, económicos, políticos”.
Depois desta referência teológica, aponta, na mesma passagem, indicações para uma espiritualidade da militância política.      
2. A fraqueza, a insignificância, a esterilidade actual da Europa resulta, em parte, de ter esquecido o sobressalto da sua alma, antiga e moderna, depois da vergonha de duas guerras loucas.         
Desaparecidas as grandes figuras inspiradoras do projecto europeu, entramos numa época de vazio, de imaginações adormecidas. Não se trata de propor qualquer “partido católico”, mas de perguntar, como Bergoglio fez perante os membros do Conselho da Europa: “Onde está o teu vigor? Onde está aquela tensão ideal que animou e fez grande a tua história? Onde está o teu espírito de curiosidade e empreendimento? Onde está a tua sede de verdade, que comunicaste, com paixão, até agora?”
É da resposta a estas perguntas, segundo o Papa, que dependerá o futuro do continente.
Para renovar a sua fisionomia é preciso retomar a nossa história política e espiritual, curada das suas patologias, em diálogo activo com todos os povos e culturas, presentes entre nós e atirados para a clamorosa injustiça dos “guetos”.
Hoje, a promoção dos direitos humanos ocupa um papel central no empenho da União Europeia. Visa promover a dignidade da pessoa, tanto no âmbito interno como nas relações com os outros países. Trata-se de um compromisso importante e admirável, porque persistem ainda muitas situações onde os seres humanos são tratados como objectos, dos quais se pode programar a concepção, a configuração e a utilidade, podendo depois ser dispensados, quando já não servem por se terem tornado frágeis, doentes ou velhos[2].
3. Durante muito tempo, as questões mais fracturantes da moral familiar foram silenciadas. Depois da Humanae Vitae, reduziam-se às questões dos anti-conceptivos. Antes, durante e depois da III Assembleia do Sínodo dos Bispos[3], os desafios pastorais exigiram o fim dos tabus, mas inflacionaram tanto o discurso que já não se aguenta. O Papa, na mensagem aos participantes no Festival da Família (05.12.2014), optou por mudar de registo. É a própria família que se deve tornar, no plano social, cultural e político, protagonista dos seus interesses que são os do futuro da humanidade.
A família, tendo como centro o bem de cada uma das pessoas, não é um apêndice da política, nem apenas o seu objecto. As famílias têm de se tornar protagonistas das políticas desejáveis para todos.
Não temos de resolver os problemas da Sagrada Família, de há dois mil anos. Mas hoje, que desafios representa o Natal para a família humana?

A POLÍTICA DO NATAL
Frei Bento Domingues, O.P
( Público 14/12/ 2014

A justiça é como o Camões

Costuma dizer-se que a justiça é cega, mas não é verdade. A justiça- pelo menos em Portugal- é como o Camões. Só vê de um olho.