sexta-feira, 12 de dezembro de 2014

SMS ao Pai Natal

Querido Pai Natal
Obrigado pela gasolina low cost, mas o que eu queria mesmo era um Presidente da República. De preferência, low cost. É que este, além de só ver de um olho e ter amigos suspeitos, fica-nos muito caro.
Agradecido

Hoje é dia dos Beija- cús (e do jornalismo acéfalo)

Os deputados da AR chumbaram hoje uma proposta de reconhecimento do Estado da Palestina, apresentada pelo PCP e BE.
A maioria e o PS votaram contra tendo, em alternativa, sido aprovada uma proposta apresentada em conjunto por PSD, CDS e PS que propõe que o reconhecimento do Estado da Palestina seja feito em articulação com Bruxelas.
A intervenção do deputado do PS Sérgio Sousa Pinto, no sentido de instar o governo a reconhecer o Estado da Palestina foi um esforço meritório mas, na prática, inconsequente.  O próprio governo, através de Rui Machete, atirou o assunto para as calendas gregas: 
" O governo procurará escolher o momento mais adequado para reconhecer o Estado da Palestina"- disse Rui Machete após a aprovação da recomendação.
Traduzindo: quando ( e se ) Bruxelas decidir reconhecer  o Estado da Palestina, Portugal abanará a cabeça em sinal de concordância. Até lá, fiquem com a satisfação de terem aprovado uma recomendação para a qual o governo se está cagando.
Eu sei que é tempo de a UE ter uma política externa comum, mas o argumento da necessidade de obter o agreement de Bruxelas caiu por terra, no dia em que a Suécia reconheceu o Estado da Palestina. França, Espanha e Inglaterra estão em vias de fazer o mesmo e outros se seguirão, marimbando-se para as decisões que Merkel pretende impor via Bruxelas.
Ficar à espera da luz verde de Berlim Bruxelas é, por isso, apenas um acto de vassalagem perante quem nos trata constantemente abaixo de cão.
Ainda mais descoroçoante do que a aprovação da recomendação, é ler a notícia do DN, instantes depois da votação: Parlamento reconhece Palestina e pressiona governo
Mas que raio de jornalistas são estes que estão no Parlamento? Como é possível noticiar uma coisa exactamente ao contrário do que aconteceu? Se isto acontece quando os jornalistas estão no local a assistir, imagino como será quando escrevem notícias que lhes são ditadas pelas "fontes" via telefone.
Isto pode não ter importância nenhuma, mas é bem revelador do jornalismo que se vai fazendo na  sucursal da S. Caetano à Lapa Av. da Liberdade ( e noutras filiais adjacentes).

Sindicalismo boomerang

Não pertenço ao grupo dos que  são a favor das greves, desde que não os afecte. Nem a essoutro grupo para quem as greves só são compreensíveis se não prejudicarem os interesses de terceiros. Isso não existe.
Esclareço, ainda, que a greve da TAP não me afecta,pois só viajarei a 4 de Janeiro e para um destino a que a TAP (infelizmente) não chega.
Finalmente, no caso de algum leiotr mais desatento ainda não ter reparado, considero a privatização da TAP um crime contra o País e defendo que tudo deve ser feito para a evitar. Incluindo a greve acordada entre todos os sindicatos e que visa,também, defender os interesses de todos os portugueses que não sejam néscios, nem tenham interesses ocultos na privatização da TAP.
Dito isto,devo dizer que considero a greve dos pilotos da TAP, marcada para os dias 27 a 30 de dezembro um acto de profunda irresponsabilidade ( para não dizer estupidez) que só favorece os interesses do governo.
Marcar uma greve para um período em que um grande número de emigrantes e imigrantes viajam para passar as festas com a família, significa angariar simpatias em defesa da privatização da empresa e fortalecer a posição do governo.
Se os sindicalistas não percebem isso, o melhor é demitirem-se das suas funções, porque com esta decisão estão a prejudicar milhares de portugueses e o país.
Coelho deve estar a rezar a todos os santinhos, para que a greve não seja desconvocada.

A alternativa do CDS

Por sugestão de Portas, o vereador do CDS na CML vai propor que  a chave da cidade, seja atribuída ao militante benemérito do CDS Jacinto Leite Capelo Rego.