sexta-feira, 31 de outubro de 2014

Bibó Porto (23)



Vai um cafezinho no Magestic?

No Dia das Bruxas, as vedetas foram os palhaços



Somos um país muito singular.
 No Dia das Bruxas, quem tomou conta do palco foram os palhaços e, em vez de abóboras, houve nabos  a boiar nas sanitas de S. Bento.
Aqui ficam alguns exemplos:
Que um ministro faça criticas à oposição é normal. Agora quando um indigente , cuja única actividade conhecida é vender notícias  para a comunicação social, vem fazer piadas a despropósito apetece-me logo mandá-lo bardamerda!
Cavaco é perito em descobrir coisas. (Deve ser a reincarnação do Vasco da Gama!).  Não é qualquer um que consegue descobrir  serviços de extraordinária relevância numa bola de sebo  e transformá-la em herói nacional.  Cavaco consegue.  Consta-me que no próximo Dia das Bruxas Luís de Matos vai convidá-lo para sócio honorário  do Clube dos Ilusionistas Mortos.
Mas, neste Dia das Bruxas, os palhaços quiseram manifestar a sua força, fazendo um desfile em S. Bento.
Mais de uma centena de palhaços que há mais de três anos andam a chular os contribuintes portugueses, aprovaram o OE 2015. 
O único governante que levou a sério este Dia das Bruxas e da Poupança, foi Paulo Portas.  Dando provas de  patriotismo e grande responsabilidade institucional,não foi andar de avião.  De manhã foi até S. Bento ver a performance dos palhaços, tendo no final feito um discurso alusivo. Seguiu-se um almoço com aquele célebre benemérito do CDS/PP que dá pelo nome de Jacinto Leite Capelo Rego. 
À tarde foram os dois jogar  ( mini) golfe num hotel de Lisboa. No final, Jacinto oferecerá mais um donativo ao Portas CDS/PP.

Lições do Dia Mundial da Poupança



Em tempos acreditava que o Dia Mundial da Poupança servia para incentivar os consumidores a fazerem economias , evitarem os consumos supérfluos e elucidá-los sobre os cuidados que devem ter na aplicação das suas poupanças.

Agora percebi que estava enganado. O Dia Mundial da Poupança é apenas uma forma de cativar as poupanças dos consumidores e enfiá-las nos bolsos dos agentes dos mercados financeiros, para que eles se possam divertir a jogar à roleta  com o nosso dinheiro.

Queres fiado? Toma!


Se não me estás a entender, Marilú...


... talvez o Portas seja mais explícito