quinta-feira, 23 de outubro de 2014

Bibó Porto (22) : By Night










Esta semana sem palavras, porque elas se esgotaram  durante a visita da última sexta-feira.

Merci, Monsieur Barroso

Durão Barroso despediu-se  de Bruxelas. Considera que o seu desempenho foi muito positivo e que os países sujeitos a programas de ajustamento estão hoje em dia muito melhores.
Ainda Barroso saía pela porta pequena, já Juncker   entrava pela porta grande  e dizia aos seus parceiros que não pode impôr-se  mais austeridade aos países que foram espoliados pela troika.
Obrigado, Monsieur Barroso.  Ter um português a presidir a à Comissão, a fazer figura de caniche da Frau Merkel,  foi o pior que nos podia ter acontecido.
O fim do seu mandato é um suspírio de alívio para todos os portugueses, que espezinhou sempre com um sorriso nos lábios. Para fazer a merda que fez, melhor fora que nunca tivesse fugido de Lisboa.
De qualquer modo,deixo-lhe aqui este video de despedida

O Platini da Cruz Quebrada



Pires de Lima insurgiu-se  porque António Costa pretende introduzir a taxa de turismo sobre as dormidas em Lisboa.
À partida, a posição do ministro da economia é popular. As empresas já estão fartas de taxas e impostos.  Só que Pires de Lima enganou-se. A taxa das dormidas- que existe em muitas cidades europeias- não é paga pelas empresas, mas sim pelos turistas.
Insere-se na política de Fiscalidade Verde  subitamente tão acarinhada por este governo, para sacar mais dinheiro aos contribuintes, sem lhes dar nada em troca.
O turismo é uma das actividades económicas mais insustentáveis e predadora.  Daí, que as cidades que introduziram as taxas sobre as dormidas – cobradas aos turistas e não suportadas pelas empresas, repito- canalizem essas verbas para projectos que tornem as cidades mais sustentáveis, de modo a reduzir o impacto do turismo.
Pires de Lima  é ignorante, ou omitiu  deliberadamente este facto, para captar a simpatia dos empresários?
Só ele  saberá responder, mas  seja qual for a resposta, mentiu aos portugueses.
Pires de Lima gosta da Fiscalidade Verde enquanto fonte de rendimento para o governo, mas rejeita-a quando se destina a defender a sustentabilidade de Lisboa.
Tal como Platini não quer que a Bola de Ouro seja atribuída este ano a Ronaldo por não gostar dele ( nem dos portugueses em geral) e propõe que o eleito seja um alemão, também Pires de Lima rejeita a proposta de António Costa, porque não gosta do seu adversário político.  Tão incoerente como Platini, ataca António Costa por não  impedir as cheias em Lisboa, mas rejeita uma proposta que pode ser fundamental para garantir a execução das obras necessárias para evitar que as cheias se tornem um hábito quotidiano.