quinta-feira, 25 de setembro de 2014

Aqui há... RATO!



No Prós & Contras de segunda-feira, a bastonária da Ordem dos Advogados  mostrou uma série de fotografias, onde se via a displicência no armazenamento dos processos em papel no improvisado tribunal de Loures. Espalhadps pelo chão, em contentores, expostos a inundações ou à voracidade de alguns animais. O secretário de estado da justiça e a juíza que o ladeava zombaram das advertências da bastonária e garantiram que os contentores ofereciam toda a segurança.
Hoje o Público  noticia que  as inundações de segunda- feira atingiram parcialmente alguns processos e que os roedores fizeram a sua aparição. A foto  acima tem sido, aliás, um grande sucesso nas redes sociais.
Sempre atenta  e rápida a tomar decisões, Paula Teixeira da Cruz mandou o seu gabinete informar que a situação está sob controlo e que o MJ “está a investigar a origem dos roedores”.
 Podemos todos ficar descansados, portanto.

Se não foi pelo cú...foi pelas calças

Luís Montenegro afirmou há pouco, que amanhã o pm irá esclarecer tudo na AR. É óbvio que não vai esclarecer nada. Como é seu hábito ficar-se-á pelas meias verdades, jogará com as palavras para lançar mais alguma confusão e aproveitará o apoio da maioria parlamentar para fazer umas flores.Teresa Leal Coelho, aliás, já lhe abriu o caminho, ao enfatizar o facto de se tratar de uma denúncia anónima.
Como pode PPC explicar um caso de que não se recorda, como reiteradamente afirmou? Terá o Espírito Santo descido uma noite destas a Massamá, para lhe avivar a memória?
Montenegro adiantou que as respostas do pm serão apenas no plano político. No concernente a eventuais ilegalidades, nem uma palavra. E, por via das dúvidas, Azevedo Soares recusou-se a entregar as declarações de IRS de Passos Coelho, referentes aos anos de 1995 a 1999. Não creio que isso tenha muita importância, porque é provável que o dinehiro até lhe tenha sido entregue em cash e sem recibos, pelo que nada constará dessas declarações. Tudo limpinho e transparente, como PPC gosta.
 Deixemo-nos de tretas. A situação é muito clara: ou o actual pm recebeu dinheiro da Tecnoforma, quando estava em regime de exclusividade, ou  não estava de facto em regime de exclusividade e recebeu o subsídio de reintegração a que não tinha direito. Tudo o que PPC disser amanhã na AR, que fuja a estas questões, não passará de tergiversação e engonhanço, para receber os aplausos da bancada da maioria etentar garantir soundbytes favoráveis da comunicação social que lhe é afecta.

Parafraseando a sabedoria popular:  PPC recebeu dinheiro a que não tinha direito. "Se não foi pelo cú, foi pelas calças".
Aqueles que juram e põem as mãos no fogo pela honestidade de PPC, é melhor começarem a por as barbas de molho, É que PPC safar-se-á sempre, mas muita gente que o apoia com a cegueira de quem segue um guru, ficará apeada quando o líder do PSD for "pregar" a sua honestidade para outra freguesia. Se o homem fosse sério não andava a encanar a perna à rã com pedidos de esclarecimento à PGR e alegados lapsos de memória selectiva.Ou recupera a memória, ou vai continuar a queimar-se em lume brando.
Estar à espera que a PGR se pronuncie sobre um caso que não pode investigar, por já ter prescrito, é o mesmo que acreditar na ressurreição de um morto!
Além disso, independentemente do que a PGR viesse a apurar, é sempre bom lembrar que o ministério das finanças já recebeu um parecer da PGR sobre as 35 horas de trabalho semanais há quatro meses e ainda não o divulgou, estando com isso a prejudicar milhares de trabalhadores das autarquias. Esta gente quer enganar quem?
Já chega de tanta sonsice, porra!

Um novo ponta de lança para o Benfica

Desapareceu a declaração de rendimentos de Passos Coelho referente a 1999. Com este apuradíssimo  sentido de oportunidade, e a sorte sempre necessária a qualquer jogador, Pedro Passos Coelho bem pode vir a ser o ponta de lança que o Benfica procura.
Como alternativa, PPC pode  aproveitar a sorte que tem e ir todos os dias ao casino jogar na roleta.

O percalço

A ministra da justiça declarou, na AR, que a justiça estava a funcionar, o problema do Citius tinha sido apenas um percalço e que até se admirava se não houvesse percalços neste processo de reforma. 
A ministra tem uma lata interminável e não parece estar muito preocupada, mas o comunicado de ontem do Plenário do Conselho Superior de Magistratura- reunido em sessão extraordinária-  não só desmente a ministra, como é bem claro quanto à dimensão do percalço.
Aqui fica um excerto:

"(...)O Conselho Superior da Magistratura está ciente de que é essencialmente devido ao esforço
dos Magistrados e Oficiais de Justiça, com a compreensão dos Senhores Advogados e dos
cidadãos em geral que se tem procurado garantir a realização de diligências e actos processuais
em processos urgentes ou previamente agendados. Também está ciente de que este esforço não
pode prolongar-se indefinidamente e de que as intervenções até agora efectuadas pelo IGFEJ
ainda não permitem o acesso a todas as funcionalidades do CITIUS nem a tramitação normal de
todos os processos ou a correcta distribuição dos processos por Juiz e unidade orgânica.
Com sentido de dever e com espírito de colaboração institucional, o Conselho Superior da
Magistratura irá solicitar uma reunião com Sua Excelência a Senhora Ministra da Justiça para
reiterar as preocupações e posições do Conselho sobre a necessidade de urgente definição de um
plano para a normalização da actividade dos tribunais (...)"