quinta-feira, 28 de agosto de 2014

Ganda maluca!

Tão felizes que nós somos!

O que mais me surpreende nesta notícia, não é a perda de confiança dos consumidores da zona euro. É, outrossim, termos mais expectativas no futuro, do que franceses e italianos.

Retrato de uma loira. Perverso?



Voltei a deixar de comprar o "Expresso". Não li, por isso, o perfil de Maria Luís Albuquerque traçado pela jornalista Christiana Martins.
 Nada me surpreende. O facto de ter esquecido os seus deveres de funcionária pública, é apenas um pormenor. Conheço outras funcionárias públicas do PSD com curriculum idêntico na arte da bufaria.recorrendo, se necessário for, a outras artes, para sacar informação importante para o partido.Num país normal esses funcionários/as seriam demitidos. Em Portugal, nada se passa assim. Em Portugal, toda a bufaria é premiada. 
 Como aliás Cavaco Silva, na boa tradição do PSD, nos ensinou ao condecorar dois PIDES.
Que Marilú é uma aldrabona incorrigível, também já se sabe há muito. As suas prestações na AR, a propósito das swaps, foram suficientemente elucidativas para percebermos a sua falta de carácter, de dignidade e de qualidades éticas e morais para desempenhar cargos públicos.
Ao que inferi, Marilú terá sido uma professora de Passos Coelho que estendeu a sua função para além da sala de aula. Também não me admira. Dois mentirosos compulsivos com ambição desmedida, cujo único objectivo é a carreira pessoal, normalmente cruzam-se no caminho. E são capazes de tudo fazer para atingir os objectivos ( Não é só nas séries de televisão americanas que isso acontece...)
A única coisa que me surpreende é não conseguir perceber as razões que terão levado Marilú- que nem sequer era militante do PSD - a aproximar-se de PPC com tal devoção, que se tornou sua informadora.Há duetos mais interressantes do que Marilu e Passos, para poderem ombrear com Bonnie and Clyde na política portuguesa.
 Há outra coisa que, embora não me surpreenda, me intriga: terem passado duas semanas e não haver nenhuma reacção por parte da ministra.
Seria fácil dizer que quem cala consente. Não vou por aí. O silêncio é deliberado, para não levantar ondas. 
O "Expresso", aliás, deu uma ajuda ao publicar o perfil num fim de semana prolongado de Agosto. Garantia de que não seria muito badalado nas redes sociais.
Se os portugueses parecem ter esquecido que viveram três anos na míngua porque foram na conversa de um vendedor de banha da cobra na feira da Porcalhota e se preparam para lhe renovar a confiança,é natural que Marilú opte por não reagir ao que foi publicado no "Expresso". Deixar  que a coisa caia no esquecimento, dar-lhe-á  vantagem, nocaso de ser chamada a substituir o aluno, na liderança do PSD.
Afinal, hoje em dia, qualquer pessoa pode aspirar a ser líder dos laranjas.Basta respeitar os padrões morais da turba de S. Caetano. E para isso, qualquer pessoa serve...

Oh freguês! Vai um tirinho?

Eu sei que sou cota e não consigo adaptar-me muito bem aos novos prazeres da juventude, mas permitam-me uma pergunta:
Conhecendo eu as campanhas contra os brinquedos de guerra, como se explica que uma miúda de 9 anos seja levada pelos  pais para aulas onde aprende a manejar uma metralhadora?