terça-feira, 19 de agosto de 2014

Pimenta no cu dos outros é refresco...

Há escassos meses, a Alemanha indignou-se quando soube que Merkel  tinha sido escutada pelos EUA. Expulsou o responsável dos serviços secretos americanos e a chanceler considerou inadmissível que os aliados se andassem a espiar.
Agora ficou-se a saber que afinal a Alemanha também espiou Hillary Clinton e John Kerry – alegadamente sem intenção- e a Turquia, aliada na NATO, deliberadamente.

Os americanos ainda não reagiram, mas o presidente turco exige explicações oficiais ao governo alemão. Como irá Merkel descalçar a bota?. 

Estou baralhado

O governo vem insistindo, há três anos, que cortes nos salários dos funcionários são reformas do Estado e os cortes nas pensões, reforma da segurança social.
Quando PPC  reagiu ao chumbo do TC no Pontal, garantiu que não faria mais nenhuma reforma da segurança social antes das legislativas de 2015 e até apelou a  um acordo com Seguro.
Pensei, na minha ingenuidade, que PPC estava  a falar a sério, mas descurei um pormenor: há uma diferença entre as palavras de gente normal e as outras. Só por isso me surpreendi quando hoje li que, afinal, o governo pensa repor a CES em 2015.
Chamem uma ambulância, por favor. Não é para mim, é para ele!

Uma proposta indecente

 Seguro anunciou que, caso vença as legislativas em 2015, irá consultar os militantes sobre a coligação que preferem. 
O actual líder do PS, na ânsia de se mostrar popular e basista, faz propostas absolutamente ridículas.  Imagine-se o que seria o PS vencer as eleições em Outubro e, antes de formar governo, consultar as bases. Iríamos ter governo lá para o Natal, em vésperas de se iniciar a campanha eleitoral para as presidenciais.
Além diso, seria bom que Seguro explicasse o que fará se os militantes do PS votarem numa coligação à esquerda, mas PCP e BE recusarem alianças.
Seguro não se terá apercebido que a sua proposta, além de ridícula, é um trunfo eleitoral para a coligação no poder?  Os portugueses merecem mais respeito e os militantes e simpatizantes socialistas, um líder que não tenha medo de assumir as suas decisões.
Felizmente, para bem de todos, Seguro nunca será primeiro-ministro.
( E muito provavelmente, se continuar neste rumo,o PS não voltará a liderar um governo na próxima década)

A cada um sua verdade

"O que é verdade hoje, pode ser mentira amanhã"- dizia o ex presidente vimaranense. A teoria de Pimenta Machado confirma-se uma vez mais. Ainda sou do tempo em que os jornais noticiavam na primeira página que Passos Coelho tinha recusado apoiar o BES.
E também ainda sou do tempo em que, no PS, era impossível mortos  pagarem quotas de militantes.
 O tempo passou, fui-me pondo velho e cada vez mais tacanho. Sou  incapaz de me adaptar a estas novas tecnologias de informação e à transparência política. Um dia vou pagar um preço elevado por esta incapacidade. 
Para já só  fui ameaçado de ficar sem  parte da reforma que paguei durante mais de 40 anos. Dizem que é justo, porque se não me roubarem a minha reforma, eles ficam sem as deles