sexta-feira, 25 de julho de 2014

Olha quem está no Chiado!



Amanhã, dia 26, Gardel, Piazzolla e Cortázar vão estar  no Chiado a partir das 21h30m
O espectáculo-  no Teatro da Trindade -  integra a programação do Ano Cortázar, organizada pela Fundação José Saramago e pela Casa da América Latina, e conta com o apoio da Embaixada da Argentina.

Bibó Porto (10): Renascer das cinzas




Na praia lá da Boa Nova um dia
Edifiquei ( foi esse o grande mal)
Alto Castello o que é a fantasia
Todo de lápis –lazulli e coral!
(António Nobre)

A Casa de Chá da Boa Nova fica no concelho limítrofe de Matosinhos mas é uma extensão do Porto que qualquer turista deve visitar. Obra de Siza Vieira construída na década de 50 do século passado, está classificada como monumento nacional.
Encerrada durante alguns anos,  quase ao abandono e alvo de pilhagens, chegou a ameaçar ruína. A Câmara de Matosinhos abriu os cordões à bolsa, recuperou o edifício e a zona envolvente. Reabriu na última terça-feira e o novo concessionário-  chefe Paula-  quer fazer deste ícone monumental uma referência na restauração, apostando na obtenção de uma estrela Michelin.
A Casa de Chá da Boa Nova faz parte da história de muitos portuenses da minha idade. Por isso, mais uma vez, deixei o cérebro fazer rewind e dei por mim a namorar naquela sala envidraçada oferecendo-se generosamente ao mar. Ali troquei palavras de amor e beijos furtivos. Ali ouvi ( tantas vezes…) , movido pela adrenalina de Cupido, estralejar foguetes no meu coração…
Em noites de luar foste parceira de uma Lua cúmplice, testemunha de "corridas de submarinos" e "baleias de óculos", linguagem cifrada de amores vividos e vertidos nos bancos traseiros de um Fiat, parado em frente ao rochedo onde uma lápide com a quadra de António Nobre dava asas à fantasia.
Foste mão amiga que se me estendeu no dia em que, olhando através da tua vidraça as águas do Atlântico que inexoravelmente me levam a Península Valdez , não consegui dissimular a mágoa e deixei brotar a saudade imensa de a ter perdido, num vendaval de lágrimas incontidas.
Ao ler a notícia de que renasceu das cinzas, apeteceu-me visitá-la uma vez mais. Talvez me indique, finalmente, o caminho para o reencontro. Vai ser já no próximo fim de semana.

Madame de La Palice

Maria Luís Albuquerque diz que os impostos sobem, porque a despesa pública não desce.  Vai dar uma boa comissária, sem dúvida.