quinta-feira, 3 de julho de 2014

E agora, se me dão licença...


Vou de férias por uns dias. Ou melhor... Fui!
( Não tenciono virar estátua mas, de qualquer modo, não é muito provável que passe por aqui nas próximas duas semanas, a não ser que o campeão do mundo, ou a invasão da Ibéria pelos jihadistas a isso me obrigue)
Até breve. Fiquem bem. Àqueles que vão de férias durante a minha ausência, desejo também excelentes férias.

Eu já vi este(s) filme(s)

Na sala de embarque da Portela, enquanto esperava que a TAP me levasse daqui para fora, folheei os jornais e rebobinei alguns filmes que já vi em tempos.

TAKE 1- BES
A bagunça familiar no BES fez-me recuar a 1975. Já naquela altura os pais destes artistas engendravam formas diversificadas de vigarizar o Estado. A maioria foi parar a Caxias. 
Agora o filme é o mesmo, mas o final é diferente, porque o PM  finge que não tem nada a ver com o assunto e não se imiscui em assuntos privados. Quase 40 anos depois,  também há uma empresa que se irá afundar se o BES cair. A família continuará de pé e a fazer férias a brincar aos pobrezinhos na Comporta. Esta gente é perigosa!

TAKE 2- A exploração dos contribuintes
O governo foi ontem aos mercados. Em dólares, porque é mais fino. Pagou juros de 5,25% por uma dívida a 10 anos, quando há pouco mais de 15 dias tinha pago juros de 3,25%. O que levou o governo a pagar juros tão elevados? As eleições de 2015. 
O governo já teve de recorrer à almofada financeira de 2014, que estava guardada para fazer umas flores em 2015, por isso, teve de tapar o buraco.  Os portugueses vão pagar estes juros excessivos para que o governo possa passar o ano de 2015 a fazer propaganda eleitoral, concedendo umas "benesses" que serão retiradas em 2015.
Muitos portugueses, fazendo jus à sua proverbial idiotice, vão cair na esparrela e votar no PSD/CDS em 2015. Iludidos pelo paleio da melhoria, do pleno emprego, blá, blá, blá.Sem perceberem que estão a pagar a festa do governo com os seus impostos e salários de merda. Um povo masoquista merece bem umas vergastadas portanto, em 2016, quando vierem lamentar-se  uma vez mais que foram enganados, faço-lhes o gesto do Zé Povinho. Vão pedir solidariedade e caridade ao Portas, porque eu não tenho pachorra para aturar  idiotas. Para o peditório dos tugas já dei. Desenraquem-se! 

Isto está cada vez melhor!