terça-feira, 1 de julho de 2014

À porta dos quartos

 Chegados aos quartos, o que se me oferece dizer é que este  tem sido um dos melhores mundiais de sempre.  Agora, o que eu gostava mesmo de ver era  uma final Colômbia- Holanda. Para quem gosta de futebol seria, certamente, a melhor forma de encerrar o Mundial
Não vai ser possível, por razões óbvias... O Brasil tem de vencer a Colômbia e chegar pelo menos às meias finais, onde irá defrontar França ou Alemanha.
Como também não é previsível que a final seja disputada entre duas equipas europeias, palpita-me que vamos ter um Brasil- Holanda, ou um Brasil- Argentina.
Em termos futebolísticos, a última hipótese seria muito má e, em termos  pessoais, seria a pior final possível. O coração torce pela Argentina, mas como poderia eu festejar a vitória dos "pampas"  sem que os meus familiares brasileiros deixassem de me falar?
 Brasil e Argentina  não estão a jogar nada e não gostava de ver os dois na final do dia 13. Seria uma maldade dos deuses, depois dos grandes espectáculos a que temos assistido.

His Master's Voice

Mais uma razão para escolher António Costa. Mas não só...

Durante muitos anos tive o privilégio de viajar pelo país em trabalho. Conheci excelentes autarcas com projectos de apoio às populações, apostados em atenuar as dificuldades que o governo central lhes coloca.
Não percebi ainda muito bem, porque é que grande parte destes bons autarcas não chega ao governo e, os que chegam, acabam por desiludir. Alguns  renunciam ao lugar ou são convidados a sair ao fim de pouco tempo. Outros aguentam-se, para demonstrar que um bom autarca de uma pequena localidade do interior não é, necessariamente, um bom membro do governo.
Não me parece, porém, que o problema esteja nos autarcas. Creio é que não conseguem  combater a lógica trituradora do centralismo governamental, que se comporta como um eucalipto, destruindo tudo à sua volta.
Gostaria de ver um autarca a tomar as rédeas do país e essa é mais uma das razões que me levam a ter esperança em António Costa. Ao contrário de Seguro -  nunca desempenhou um cargo político e nunca foi eleito para coisa nenhuma pelo povo - António Costa tem experiência autárquica e ministerial. Não é um mero produto das fábricas de jotinhas, escolas de vícios e de ignomínia onde crescem, como ervas daninhas. políticos profissionais sem qualquer experiência de vida que os credibilize.
O coelhismo roubou-me o prazer de trabalhar junto das populações. Resta-me, por isso, ir seguindo à distância, via televisão, os poucos programas que se dedicam ao poder local. Sempre que posso, não perco a oportunidade de ver o "Portugal Português". Aos domingos à tarde na TVI 24, com a apresentação de  Paula Magalhães.

Vergastem-me que eu gosto!

Enquanto Cavaco Silva pedia clemência ao presidente alemão, dando-lhe garantias de que os portugueses aprenderam  a lição, Passos Coelho continuava a apoiar com entusiasmo as políticas de austeridade, pedindo sucessivas vezes aos algozes calvinistas:
 " Vergastem-me que eu gosto!"  
Já o pm italiano, Matteo Renzi, foi peremptório e bateu o pé a Merkel:
"Estamos fartos de austeridade. Ou temos valores comuns, ou fiquem com a vossa moeda"
Depois de uma discussão brava, Merkel desdobrou-se em elogios a Renzi.
Quando é que o Thomaz das Alcagoitas e o Coelho da Porcalhota compreendem que ser subserviente é, além de humilhante, uma traição aos portugueses?
Itália assume, hoje, a presidência da CE. Que tal Coelho e Cavaco trocarem umas impressões com Renzi sobre a Europa? Calma aí... não precisam de ir a Itália, falem pelo telefone. A partir de hoje, o roaming baixa 50%, é aproveitar...

Querem mesmo saber?