segunda-feira, 30 de junho de 2014

Não, não somos a Grécia

Jogadores gregos renunciam aos prémios a que tinham direito, por uma causa que beneficia a população 
E também não somos argelinos.Aconteça o que acontecer, já obrigaram a Alemanha a um prolongamento. A França agradece

Try to remember... the coming September...




Por todo o país têm vindo a encerrar, a ritmo acelerado, salas de cinema  que faziam parte da história de muitas cidades. No último ano, em Lisboa, carpiram-se muitas lágrimas pelo encerramento do Londres e do King. 
Não deixa de ser curioso que as pessoas lamentem o desaparecimento de salas de cinema mas esqueçam que, em boa parte, também são culpadas pelo seu encerramento, porque optaram pelo confortável "home cinema", ou  - particularmente os mais jovens- por salas em centros comerciais impregnadas do cheiro gordoroso a pipocas.  
Tenho uma boa notícia a dar aos nostálgicos (entre os quais me inclu) das velhas salas de cinema. Vai reabrir o velho cinema Ideal, também conhecido por "Piolho" do Loreto.
Inaugurado em 1904, o Ideal  foi a primeira sala de cinema de Lisboa. Um sucesso estrondoso, segundo os relatos da época. Viria a encerrar nos anos 90, depois de ter sido baptizado  Cine Camões e Cine Paraíso e ter servido de albergue a filmes pornográficos,
Poucos terão alguma vez entrado naquela sala onde, no início do século XX, a grande atracção era o "cinematógrafo falado" numa altura em que o cinema ainda era mudo. Os sons eram produzidos por um grupo de pessoas colocadas atrás do ecran que iam emitindo sons e ruídos adequados ao filme. 
A maioria das pessoas da minha geração nunca terão entrado no Salão Ideal ( nem no Camões, ou Paraíso) mas, a partir de Setembro, terão oportunidade de visitar esta sala emblemática de Lisboa recuperada pela Casa da Imprensa, em parceria com a Midas Filmes.
A programação incidirá sobre o cinema português e cinema independente. E não haverá pipocas, o que é uma excelente notícia.


Estou comovido

Desde que António Costa desafiou a liderança de Seguro, multiplicam-se as declarações de seguristas, garantindo que se o PS vencer as eleições em 2015 fará uma aliança à esquerda. Estou comovido, mas não resisto a fazer uma pergunta.
Já nem questiono com quem o PS pensa ( conseguir) aliar-se à esquerda. Basta que me respondam a isto: se até aqui o PS tem sempre feito o jogo da direita ( só dois exemplos: aprovação do Tratado Orçamental e da descida do IRC), por que razão vai mudar em 2015? 

Há sempre uma ministra loira...

A Câmara de Rio Maior criou uma Loja do Cidadão no centro histórico. O objectivo é revitalizar um espaço da cidade quase morto e servir os cidadãos.
A presidente da Câmara contactou ministério das finanças, no sentido de integrar este espaço. Numa altura em que o ministério planeia encerrar mais de uma centena de repartições de finanças no país, era de esperar que a proposta fosse bem acolhida.
Vá lá perceber-se porquê, Maria Luís rejeitou a oferta, com o argumento de que as finanças já têm um espaço próprio na cidade.
Neste governo  há sempre uma ministra loira a tomar decisões aparentemente inexplicáveis.

Hoje acordei assim..

Ainda sou do tempo em que o azeite era visto como um produto nocivo para a saúde. Depois, alguém se lembrou de criar a dieta mediterrânica e o azeite passou a ser visto como uma gordura de excelência.


O sobrevivente

Fernando Santos foi o único treinador português a passar a fase de grupos. Salvou-se no último minuto do jogo com a Costa do Marfim, graças a um penalti.
Hoje, caiu perante a Costa Rica. Voltou a ter alguma felicidade ao conseguir empatar aos 90+1, obrigando a prolongamento, no qual foi superior, jogando com mais um jogador. A eliminação foi um bocadinho  injusta, mas Fernando Santos sai de cabeça erguida pois foi o primeiro treinador a conseguir levar a Grécia além da fase de grupos, numa fase final do Mundial. Ficou o entanto a sensação que podia ir mais longe.
Ainda há um  português no Mundial e palpita-me que vai chegar à final: Pedro Proença.
Esta tarde, a Holanda eliminou o México, dando a volta ao resultado com dois golos nos últimos cinco minutos. O treinador mexicano foi medroso e, com a ganância de querer guardar a vantagem de um golo, remeteu-se à defesa e perdeu.
Ambas as equipas mereciam ter passado. E ficava a Costa Rica pelo caminho, que não se perdia nada. Mas sorteios são sorteios...