quinta-feira, 19 de junho de 2014

Bem prega frei Tomás...

Se eu fosse presidente da Câmara de Lisboa...



A Avenida. da Liberdade vai estar parcialmente fechada ao trânsito durante vários dias, para que o tio Belmiro "Continente" Azevedo possa fazer lá um Piquenicão no próximo sábado.
Devo dizer que discordo deste encerramento,  mas por razões opostas àquelas que criticam António Costa
( A propósito... quando é que o Brillhante vem dizer "não foi para isto que o elegemos?)
Se eu fosse presidente da câmara de Lisboa,encerrava a Av. da Liberdade ao trânsito automóvel definitivamente e transformava aquilo num Passeio Público. Apenas poderiam circular transportes públicos nas faixas laterais e os automóveis poderiam apenas cruzar a Avenida nos eixo perpendiculares.
A Av da Liberdade é uma artéria vital da cidade de Lisboa e está gravemente doente, por causa da poluição automóvel. António Costa condicionou o trânsito, os lisboetas protestaram, mas hoje em dia já se habituaram. A mais bela avenida da capital sentiu algumas melhoras, mas continua gravemente doente. Esta semana de repouso vai fazer-lhe bem, mas depois  terá uma recaída. Só cortando o mal pela raiz poderá curar-se.Cortar ali o trânsito,definitivamente, seria a única forma de extirpar o mal e Lisboa lucraria com isso. 
(Estejam os lisboetas descansados, porque nunca serei presidente da câmara de Lisboa.)


A galinha do vizinho...

Os jornais portugueses enchem-se de parangonas a replicar a história de Letizia, invadindo a esfera das revistas cor de rosa.
Às tantas, a história de Passos Coelho também era capaz de revelar coisas interessantes, mas isso não aguça o apetite dos jornalistas lusos.

Chega de solidariedade, está bem?

Quando a Espanha levou 5 da Holanda, Portugal mostrou a sua solidariedade com "nuestros hermanos" e deixou que a Alemanha nos aviasse com 4.
Foi um gesto bonito, sem dúvida, mas depois da derrota da Espanha, ontem, frente ao Chile, espero que Ronaldo e Cª não repitam a gentileza. Uma vez  chega, ok?
Deixem-se lá de mesuras e dêem mas é cabo dos "camones" e depois aviem o Gana. 

A mentira tem perna curta

Passos Coelho encarregou Poiares Maduro de comunicar ao país que se ia vingar da decisão do TC, não repondo os cortes no subsídio de férias a quem já o recebeu.
Não querendo admitir que é caloteiro  ( só quando estava na Tecnoforma é que era um mãos largas a usar os fundos europeus)  Passos Coelho voltou a recorrer à hipocrisia e incumbiu Maduro de comunicar ao país a sua profunda consternação pelo facto de ser obrigado, pelo TC, a tratar de forma desigual os seus funcionários.
A mentira ( como a hipocrisia) tem perna curta e bastará recuar duas semanas para se encontrar uma outra situação em que o governo não lamentou o tratamento desigual dos pensionistas.