segunda-feira, 9 de junho de 2014

Tergiversações sobre buracos

No Jornal das 8 da TVI, Ricardo Araújo Pereira entrevistou Eduardo Barroso, que tentou explicar a metáfora de Bruno de Carvalho sobre as nádegas. Pelo que percebi, as nádegas são o Benfica e o Porto e o Sporting está entalado no meio. Então os tais ventos mal cheirosos são produzidos em Alvalade, dr. Barroso? E eu a pensar que o SCP tinha saído do buraco!
No Jornal da Noite da SIC, Miguel Sousa Tavares disse que Alberto João Jardim veio discretamente a Lisboa, na sexta-feira, pedir 950 milhões de euros para equilibrar as contas da Madeira. Percebo agora melhor a razão por que Passos Coelho decidiu  meter a mão nos bolsos dos funcionários públicos e dos pensionistas: foi para tapar o buraco do Jardim!
Cheira-me a esgoto!
Para desanuviar vou beber um copo ali ao Clube 21. Pelo caminho vou passar pela farmácia para comprar uns supositórios, porque amanhã de manhã cedo vou para a Guarda e podem fazer jeito a alguém.

António Costa: a hora da verdade

As pessoas hesitantes têm tendência a tomar decisões na hora errada. António Costa hesitou em avançar  para suceder a Sócrates e recuou ano passado, quando tinha todas as condições para derrubar Seguro.
À terceira avançou, mas não terá escolhido o momento ideal para o fazer. Acredito que tenha sido empurrado por militantes históricos do PS, cansados de ver Seguro destruir o partido. 
A resistência do aparelho foi forte e agora Costa (apesar das sondagens lhe serem favoráveis) se quiser liderar o PS e o país, com maioria absoluta, só tem uma coisa a fazer: mostrar o que irá fazer se for primeiro ministro. 
As suas propostas têm de ser diferentes e mobilizadoras, rompendo com a possibilidade de uma aliança com o PSD e lançando pontes para coligações à esquerda, com partidos como o LIVRE, já que com a CDU não haverá possibilidade de entendimento, por uma razão: o PCP não quer, porque é muito mais cómodo continuar a criticar o sistema, do que entrar nele.
Se Costa não for claro quanto à estratégia alternativa que, obrigatoriamente, terá de incluir alterações ao Tratado Orçamental e medidas para reestruturação da dívidas, arrisca-se a ficar pelo caminho e a sua carreira política terá chegado ao fim. 
Não chega mudar de caras. É preciso também mudar de políticas.

Trip(l)as à moda do Porto

Pois, pois, depende das pessoas...


Maria de Belém Roseira, presidente do PSS ( Partido Socialista de Seguro) tem dúvidas quanto à legalidade de um congresso extraordinário, por isso, pediu um parecer à Comissão Nacional de Jurisdição.
Curiosamente, não tem quaisquer dúvidas quanto à realização de primárias para escolher o candidato do PS a PM, apesar de tal possibilidade não constar dos estatutos do partido.
Maria de Belém, ex administradora da TDM e militante frenética da causa anti-tabágica, é uma querida. Sempre gostou de satisfazer os desejos de quem está por cima. Tanto se lhe dá dizer que a especialidade do Porto ( onde nasceu  três meses antes de mim) são as tripas, os pastéis de nata ou as almofadinhas de carne. É o que mais convier na altura...