segunda-feira, 2 de junho de 2014

Até as crianças percebem!

Ontem, RTP e SIC  foram entrevistar crianças de várias escolas do país. Fizeram-lhes perguntas sobre a troika,a crise, o governo, Passos Coelho, etc.
Ficou-me gravada na memória a resposta de uma criança  a estudar no colégio das Doroteias ( onde, segundo informação da jornalista da RTP, a mensalidade não é inferior a 500€). Perguntada se sabia quem era Passos Coelho, respondeu que era o primeiro ministro.
Seguidamente a jornalista perguntou: E o que é que ele faz?
Resposta imediata da criancinha: ROUBA!

Vêm aí os Felipes!



Bem pode Portas apontar para o seu relógio e gritar que recuperámos a independência no dia 17 de Maio, mas  o seu parceiro de coligação não se cansa de o desmentir. Passos Coelho já lhe recomendara tino mas ontem, Marco António Costa, a toupeira de Gaia, fez questão de sublinhar uma vez mais que a troika só sairá daqui, na melhor das hipóteses, no dia 16 de Junho. Teceu, aliás, fortes críticas ao Tribunal Constitucional, por não ter esperado que a troika passasse o cheque, antes de se pronunciar sobre as inconstitucionalidades.
Paulo Portas ainda não percebeu que o PSD não quer que Portugal seja um país independente. Foi por isso que acabou com o feriado do 1º de Dezembro. 
Desde que percebeu que a Alemanha não está interessada em comprar  Portugal (  para Merkel é mais barato fazer do nosso país um resort de férias para a classe média  germânica)  Passos Coelho passou a sonhar com o dia em que os espanhóis voltem a mandar em Portugal.  Tudo se conjuga para que o seu sonho se transforme em realidade e este ano tem sido fértil em sinais de que isso possa acontecer em breve.
Depois de os adeptos dos  dois  principais clubes madrilenos terem invadido Lisboa para assistirem a um jogo de futebol, hoje foi a vez de Juan Carlos mandar um sinal de que a invasão está próxima.
Ao abdicar do trono cria condições para que  Espanha volte a ter um rei Felipe, o que é meio caminho andado para uma invasão.Até porque - é bom lembrar-  o rei que precedeu Felipe II  também se chamava Carlos ( Carlos V). Gostava de caçadas, como Juan Carlos, e  também abdicou do reino de Castela em favor de Felipe II, que tinha a mania das grandezas e resolveu invadir Portugal sem qualquer pretexto plausível.Apenas porque sim.
Creio  mesmo que muitos dos espanhóis que andam pelo país, disfarçados de turistas, são tropas ao serviço de Sua Majestade, que andam a apalpar terreno e estudar a melhor altura de concretizar a invasão. 
Passos Coelho  terá sido avisado dessa possibilidade e já começou a estudar, com o seu "inner cercle", qual a melhor data para prestar vassalagem e jurar fidelidade ao rei de Espanha.  Dias depois, um qualquer comentador dirá a Manuela Moura Guedes que Pedro Passos Coelho era um homem de rara visão, por ter acabado com o feriado do 1º de Dezembro, para não irritar o invasor, o que permitiu evitar a morte de milhares de portugueses que não puderam emigrar 

Não é defeito... é feitio!

Ou seja, o TC corrigiu despesas supérfluas e terá explicado ao governo que gorduras do estado não são os salários dos funcionários públicos e as pensões de reforma.
Gorduras do estado são contratos de outsourcing com amigos e empresas de amigos, para a realização de estudos que muitas vezes acabam na gaveta, ou cujos custos são empolados, porque o objectivo é o pagamento de favores.
O governo insiste em agir como os fora da lei. Não é defeito...é feitio!

Estava boa a praia, sr presidente?



Cavaco Silva nunca teria esperado um fim de semana tão descansado, depois da decisão do TC, que chumbou três das medidas cuja constitucionalidade ele nunca pôs em causa.
Cavaco recebeu  uma dádiva de Nossa Senhora de Fátima ( estávamos em Maio, mês em que a Maria costuma ter visões, lembram-se?) com a crise interna do PS. A comunicação social deixou-o em paz. Está tão empolgada com as  lutas entre Seguro e Costa, que se esqueceu de Cavaco. Aparentemente, as redes sociais também. O perjúrio tornou-se tão banal em Cavaco, que já ninguém liga. E o homem aproveita, claro.
Assim, foi até à praia da Coelha  descansar ( da viagem à China, provavelmente) na companhia do seu amigo Oliveira e Costa e ambos se terão divertido imenso, a falar sobre a dádiva da crise socialista. Terão igualmente discutido o futuro Banco do PSD de Fomento, que afinal não vai ser um banco, mas  apenas uma agência financeira gerida por uma nova escolinha do PSD, que distribuirá créditos pelos amigos.
Sem a maçada de ter de convocar eleições antecipadas e confortado com o argumentário de Seguro, que serve  às mil maravilhas para ele justificar a não demissão do governo, "legítimo e democraticamente eleito", o PR goza a reforma.
Cavaco Silva tem direito a uma reforma descansada.Os contribuintes portugueses é que não têm obrigação de a pagar.