quinta-feira, 29 de maio de 2014

Se calhar, sou eu que estou a ver fantasmas onde eles não existem...

Governo estuda voto obrigatório

O conselho de ministros anunciou hoje, em comunicado, que foi sensível ao pedido dos que reclamam que o voto seja obrigatório. No entanto o governo decidiu que, numa primeira fase, vai tentar sensibilizar os portugueses, realizando um sorteio de 1000 motos BMW e 10 Volkswagen topo de gama, no próximo acto eleitoral.
Os eleitores do CDS terão um bónus adicional: uma viagem de submarino em regime de pensão completa.

Eu cá não sou de intrigas...

...mas palpita-me que quando ontem à noite Passos Coelho disse à malta laranja  " é preciso que compreendam que o que o governo fez não foi porque a troika impôs" estava a dizer ao país que Paulo Portas é um aldrabão e a avisar o CDS que estava preparado para juntar os trapinhos com o PS de Seguro, depois das legislativas de 2015.
Mas Passos Coelho não deixou de lançar pontes ao PS  para o caso de ser Costa o futuro líder do Rato, delegando a tarefa em Miguel Relvas. 

Dança de cadeiras



O problema do PS será só de liderança?  Era bom, era!
Uma eventual vitória de António Costa  não resolverá, por si só, os problemas. Dará   um novo élan ao partido, cuja dimensão dependerá da capacidade mobilizadora das propostas que Costa vier a apresentar ao país. 
Convém lembrar que, no concernente a propostas concretas, Costa ainda não apresentou nenhuma e, quando perguntado sobre o tema, foi bastante vago.  
Há dois aspectos que diferenciam o  líder do PS e o candidato à liderança :a combatividade e o carisma. Seguro é visto pelo eleitorado como um  panhonha, aliado de Passos Coelho e adepto do Bloco Central. Adepto de coligações à direita, sem uma centelha de audácia, Seguro é, na opinião de muitos, um líder fraco que cederá facilmente perante as exigências  do seu parceiro de coligação e das imposições europeias. 
António Costa  tem a imagem de  um líder mais combativo, capaz de bater o pé  à Europa, liderar uma coligação em que o PS seja vencedor  e com maleabilidade suficiente para  encontrar apoios à esquerda. Mas, acima de tudo, os portugueses  vêem em Costa  um líder capaz de  ganhar as eleições com maioria absoluta, enquanto recusam liminarmente essa possibilidade se for Seguro a liderar.
A imagem que cada um tem junto dos portugueses pode estar distorcida. No entanto, é a imagem  que  cada um deixa passar, que ganha votos.
Será a imagem de Costa suficiente para mobilizar os portugueses?  É provável. Não deixemos, no entanto, de sintonizar a realidade. Por toda a Europa, os partidos socialistas estão em declínio mas, apesar de Seguro , o PS português  foi o terceiro  partido socialista mais votado na Europa. 
O que quer isto dizer à luz dos resultados das europeias de domingo?
Que o eleitorado está farto  da modorra e conformismo dos partidos do Centrão e quer propostas mais ousadas. Os europeus querem propostas  que mexam com a Europa e lhe dêem vitalidade. Especialmente os jovens, que apostam no risco e não na manutenção do “status quo”  apenas interessante para as clientelas partidárias.  Por isso votam nos extremos  que lhes oferecem propostas mais ousadas, embora perigosas e que põem em causa a estabilidade. 
Em Portugal, muitos dos eleitores que votaram na CDU foram seduzidos pelo discurso ousado e diferente de João Ferreira, que  abordou a Europa colocando questões “fora da caixa”. Marinho e Pinto  ganhou simpatias pela combatividade e discurso agressivo, que vai ao encontro daquilo que as pessoas querem ouvir. O BE perdeu votos não só porque se esfrangalhou internamente, mas também porque as suas propostas fracturantes foram todas aprovadas pelo governo de Sócrates e o Bloco ficou sem discurso!
Costa poderá ganhar o PS. Mas só ganhará a simpatia do eleitorado e do país se apresentar propostas ousadas, fora do esquema conformista e redondo que caracteriza  os partidos do sistema.   Se o não fizer,  se não ousar arriscar e surpreender com as suas propostas, as mudanças no PS  serão  apenas  uma dança de cadeiras. O destino do PS será, então, o dos outros partidos  situacionistas  socialistas  social democratas do Centrão  europeu.  Comidos pelos extremos, desaparecerão da cena política. Paz à sua alma!