sábado, 3 de maio de 2014

Funcionário obediente

Joaquim,auxiliar de serviço médico de uma Unidade de Cuidados Intensivos,tratava de uma mulher internada em estado de paralisia total.Nove meses depois ela aparece grávida, para espanto de todos.
A Direcção do Hospital reportou o incidente ao Ministério Público.
A PJ começou por interrogar o Joaquim:
- O senhor era o auxiliar de serviço médico da paciente grávida?
- Sim, Senhor...
- E foi o senhor então quem engravidou a moça?!
- Foi sim, senhor, mas só fiz por ordem do Hospital e cumpri rigorosamente o que estava escrito na prancheta da paciente.
- Como? O que é que estava escrito no boletim médico?
Joaquim retirou uma cópia do relatório e leu:
"Mulher, 32 anos, inconsciente, não reage a nenhum estímulo - COMA"







Tásse bem!

Aqui, longe do bulício capitalista lisboeta, é que eu me sinto bem. Com 29 graus, céu azul, sol luminoso, água agradável, silêncio, a companhia de uns livritos e algo mais...
Já tinha saudades de uns dias de ripanço, por isso, vou deixar-me ficar e fingir que o trabalho e outros deveres - quiçá mais importantes-  não esperam por mim.  Um dia destes eu volto a Lisboa, prometo. Por agora, preciso de retemperar forças para a mudança que terá de se concretizar este mês.