terça-feira, 11 de março de 2014

Passos Coelho pede empréstimo a David Cameron

Estou farto de Liberdade e Democracia!

Primeiro ( ainda na última década do século XX) era a globalização que ia devolver a liberdade e a democracia a todos os povos do mundo e diminuir as desigualdades. Anos depois as desigualdades tinham  aumentado e  a democracia continuava enferma em muitos países do mundo.
Foi então que os arautos da liberdade e da democracia se viraram para a primavera árabe.As ditaduras egípcia, tunisina, líbia, and so on tinham sido finalmente derrubadas, graças à  vontade popular e em seu lugar iriam nascer, frondosas, democracias libertadoras. Bastaram alguns meses para se perceber que apenas tinham mudado as moscas.
Os  regimes amigos do mercado, adoradores do deus dinheiro e tendo a ganância  como único "valor", foram inventando, aqui e ali, povos heróicos que saíam à rua para derrubar ditadores e construir viçosas democracias.
A mais recente "vitória" do povo ocorreu na Ucrânia. Apeado o ditador corrupto, a democracia instalou-se miraculosamente na praça Maidan, com um primeiro ministro a ser eleito por voto de braço no ar. Ao que parece, com o mesmo sucesso das democracias nascidas na Praça Tahrir e noutras praças espalhadas pelo mundo. O polvo dos mercados, disfarçado de democrata,   vai estendendo os tentáculos e cumprindo o seu objectivo: substituir ditadores que lhe são adversos, por ditadores dóceis que aceitem as regras do jogo da corrupção, sem pestanejar.
Enquanto isso, vai semeando a morte por onde passa, transformando as suas vítimas em heróis combatentes da Liberdade.
Confesso que estou farto de tanta Liberdade e Democracia.  Até porque estas democracias se estão a tornar perigosas. Especialmente esta democracia ucraniana que, em não havendo cuidado de ambas as partes, pode vir a incendiar a Europa. 
Infelizmente, começo a  convencer-me que a Europa só muda com mais uma guerra que a senhora Merkel - não satisfeita com a sua vitória na guerra económica- tão insistentemente tem fomentado. Agora ela quer é mesmo sangue!
Não faltará por aí quem invoque a força do poder popular para evitar uma guerra. Pobre povo que tem sido utilizado pela direita como carne para canhão, ajudando-a involuntariamente (?) a instalar-se no poder! 
A Ucrânia foi só mais um lance neste jogo geo-estratégico. Por agora, a UE ainda leva alguma vantagem, mas o vencedor anunciado continua a olhar para o tabuleiro com um sorriso, à espera do momento ideal para desferir o derradeiro ataque e proclamar vitória.
Como venho escrevendo desde 1991, a globalização só tinha um objectivo: o pensamento único. Está quase a cumprir os objectivos

Memórias de Março: Alzheimer visita Belém

No dia em que se assinalam os 39 anos do 11 de Março, não será totalmente descabido relembrar que Março tem sido um mês nefasto  para Portugal.
Este ano, o 11 de Março ficará assinalado por um manifesto de 70 personalidades que pedem a reestruturação da dívida porque, como quase toda a gente já percebeu, não será possível pagá-la.  Mas  o dia fica também  assinalado pela visita que Alzheimer fez a Belém para cumprimentar Cavaco Silva e apagar  uma parte da memória no risco rígido do senhor de Belém.
A visita foi um sucesso. Cavaco esqueceu-se  que foi ele quem, em 1985, destruiu o Bloco Central em vésperas da adesão de Portugal à CE; apagou-se da sua memória  a  recusa ao diálogo enquanto foi PM, sendo até agora o único que se recusou a fazer debates com os partidos da oposição; Alzheimer apagou da memória do senhor de azul  o seu discurso de tomada de posse em  Março de 2011, onde deixou claro que o objectivo do seu mandato era derrubar o governo do PS; um ano depois divulgava os Roteiros VII que, estranhamente, receberam um forte aplauso de Seguro e onde garantia não interferir na actividade do governo
 Esquecido de todo o passado por obra do senhor Alzheimer, este ano Cavaco fez publicar no Expresso excertos dos Roteiros VIII onde apela mais uma vez ao consenso para que possamos viver tranquilamente até 2035, sob o protectorado dos agiotas que ele, muito provavelmente, desejará ainda servir com toda a sua experiência, quando deixar de ter a mesada paga pelos contribuintes portugueses.
Cavaco garante que escreveu a sentença de condenação dos portugueses a 20 anos de trabalhos forçados e a emulação de uma geração, porque estuda muito. Acredito. O problema de Cavaco é ter estudado pela cartilha errada. A que recusa o progresso e enaltece a falta de vergonha na cara como um atributo.
Cavaco precisa de um programa Novas Oportunidades, para reciclar o disco rígido e recuperar a memória. Porque, quanto à vergonha, foi algo que já perdeu há muito e jamais recuperará.

Os jovenzinhos, tão engraçados...

... fazem joguinhos disparatados
Devo dizer que não me preocupa nada que os jovens  participem nestes jogos idiotas onde arriscam a vida. Cada um faz o que lhe apetece...
O que me chateia é que alguns dos que  vão parar ao hospital, onde recebem tratamentos que podem custar um dinheirão aos contribuintes, acabem por se safar e depois vão para a política  dar cabo do país  e culpar os velhos por lhes estarem a roubar o futuro.