segunda-feira, 10 de março de 2014

Uma história que vem de longe!

Esta  "infracção" é apenas mais uma entre as muitas que o Estado comete amiúde. Infelizmente, não é exclusivo deste governo exigir aos privados o cumprimento de legislação que o próprio Estado alegremente viola. É uma cena que vem de longe. 

A Rosa que não floriu




Completaram-se no dia 7 de Março, 40 anos sobre a vitória de Paulo de Carvalho no Festival da Canção, com a  histórica “ E Depois do Adeus”.
O fracasso no Festival da Eurovisão, semanas mais tarde, parecia dar razão aos milhares de portugueses indignados que contestaram a escolha de “E depois do Adeus” em detrimento da canção de José Cid “A Rosa que te dei”. ( Uma belíssima canção também, há que dizê-lo...)
Portugal ficou em último lugar no festival do eurocançonetismo, mas foram muitos os que justificaram a má classificação, com o facto de Paulo Carvalho ter sido impedido de cantar em inglês.A verdade, porém, é que nessa altura a Europa não estava connosco, porque não apoiava ditaduras.
Semanas mais tarde, “E Depois do Adeus” seria senha para o 25 de Abril.
Dois anos depois Mário Soares, em campanha para as legislativas, seria o anfitrião dos principais líderes europeus, sob o signo "A Europa Connosco". E nessa altura estava mesmo, porque a Europa ainda era um lugar habitável,  dirigido por gente com memória, apesar da ( ou precisamente porque) Guerra Fria e de um muro dividir a Europa "dos bons" da Europa "dos maus"
Pois, já lá vai muito tempo... nessa época os líderes europeus ainda viam a democracia como um modelo a seguir e não como um entrave aos seus desígnios. Os "bons" venceram, mas deram cabo desta m.... toda e reduziram a Europa a um bando de carniceiros babados com dinheiro fresco a escorrer-lhes pelas mãos manchadas de sangue.

A Nova Europa: tenham medo! Muito medo...

Quando vemos  a Europa reconhecer como legítimo um governo  escolhido na praça Maidan pelo sistema de braço no ar e de imediato se disponibiliza a emprestar 11 mil milhões de euros a esse país, enquanto obriga os cidadãos dos países da UE em dificuldades como Portugal, a medidas de austeridade severíssimas, percebe-se que esta Europa está a acelerar desabridamente para o caos.
Pior ainda, a Europa apoia um regime que usou snippers para matar os seus próprios apoiantes na Praça Maidan e, cereja no topo do bolo, esta mesma Europa quer negociar de imediatocom um governo provisório sem legitimidade popular, desvalorizando os resultados que possam sair das eleições de Maio.
 Tenham medo. Muito medo. Estes líderes europeus são perigosos, porque têm consciência das consequências dos seus actos. Embora pareçam, não são loucos...

Eu já suspeitava...

Sondagem i/Pitagórica revela: maioria dos portugueses quer saída à irlandesa
A mesma sondagem conclui ainda que a maioria dos portugueses não sabe o que significa saída limpa ou à irlandesa
Eu não preciso de sondagens para perceber a razão de muitos portugueses votarem PSD ou CDS/PP. Eles também não sabem porque o fazem, mas  eu explico. Para a maioria dos tugas, um partido defende-se com o mesmo fervor com que se defende o clube de futebol.