sexta-feira, 21 de fevereiro de 2014

Já não posso comer a Mariazinha descansado?

Hoje, para  não ser acusado pelos leitores de viver acima das minhas possibilidades,  troquei a Versailles pelo café Choupana ( só andei  mais um quarteirão).
Paguei os mesmos 70 cêntimos pelo café, mas desta vez sentei-me numa mesa, porque acabara de fazer análises e ainda estava em jejum. Voltei a ter encontros imediatos.
Estava a comer a Mariazinha ( para quem não saiba, é aquilo que está na foto) , quando se sentam na mesa do lado o meu ex- vizinho Bagão Félix e  Ribeiro e Castro.
Ontem duas mulheres do PSD, hoje dois homens do CDS.
Felizmente que amanhã é sábado e a partir de segunda-feira mudo de zona mas, por lá, as bicas são mais caras...

Não podem adiar isso por uns dias?

Esta manhã, ouvi uma senhora  na M-80 a dizer que o mundo vai acabar amanhã. Não podiam adiar isso por uns dias? É que amanhã vou fazer uma longa viagem e não me dava jeito nenhum!
Além disso, embora admita que ver o fim do mundo do ar é capaz de ser um espectáculo giro, preferia que o mundo acabasse quando eu estivesse com os pés em terra...

É isto, não é?

Os cortes nos salários e pensões são provisórios até se tornarem definitivos...
Cada vez que me lembro que um dia chamei filho da puta a um feirante que me enganou, sinto imensa vergonha. Como é que vou chamar agora à loira que me anda a gamar há mais de um ano? E ao lambidinho que me rouba há três?
Na verdade, não chamo nada, porque se eles fazem isso é porque nós deixamos. E quando assim é...

Sobre a impossibilidade das saídas limpas

O governo está desorientado. Não faço esta afirmação por todos os ministros andarem a dizer que estão a ver a luz ao fundo do túnel ( O Barroso também jurou que viu armas de destruição maciça onde elas não existiam...). 
Afirmo-o, porque percebi que vai uma grande confusão naquelas cabecinhas ocas e pouco instruídas. Então não é que eles estão a confundir o  túnel com o intestino grosso? Ora, como todos sabemos, por ali não há saídas limpas!
Foi isso que o relatório da Comissão Europeia veio dizer  mas, avisou,  não há dinheiro para o papel higiénico...