quinta-feira, 18 de dezembro de 2014

Vão meter-se numa alhada

O governo optou pela requisição civil na TAP. O argumento de que está em causa o interesse público é, no mínimo, risível. Então a TAP é de interesse público e o governo vai privatizá-la?
A decisão já era arriscada mas o governo decidiu apostar ainda mais forte, abrangendo 70% dos trabalhadores.
Se a ideia vingasse, significaria que se teria acabado o direito à greve. Não vingará e o governo vai sair mal desta situação. Mesmo que muitos aviões levantem voo... será a TAP a mais prejudicada.

10 comentários:

  1. A greve é oportunista, Carlos.
    E desrespeita os utentes.
    É raro concordar com este (des)governo.
    Concordo com esta medida.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A greves são para ser oportunas? Para que serve a lei da greve? Se não forem feitas em alturas em que tenham impacto para que servem? Querem passear de avião pelo Natal? As famílias só se devem unir pelo Natal? Andem de trenó!

      Eliminar
    2. As greves nunca são oportunas, mas há umas mais inoportunas que outras, e esta é uma delas.
      Também existe uma lei que prevê a requisição civil, por isso esta posição do governo não é ilegal.
      Há uns anos, não sei se ainda é assim, mas no Japão sabe como os trabalhadores faziam greve? Iam trabalhar com uma braçadeira negra a dizer greve.
      É claro que as famílias não se devem reunir só no Natal, mas algumas pessoas não tem outra hipótese.

      Eliminar
    3. Paulo! Gosto muito de ser portuguesa. Mas em Portugal nunca respeitaram os trabalhadores. No Japão há respeito mútuo e defendem a honra e o seu País, sejam de que classe for. Sabe que muitos anos depois de ter terminado a Guerra Mundial, um militar de alta patente isolado numa ilha, não se rendeu a ninguém e só acreditou quando foi o próprio Imperador Hirohito lhe foi comunicar, porque ele não saía de lá. Não sei se isto é lenda, mas foi-me contada pelo meu professor de Ciências Sociais.
      Esta requisição é ilegal porque foi anunciada antes do tempo. Você continua a ser uma pessoa muito bem intencionada e acredita nestes aldrabões, que conseguem ser mais reles que qualquer ladrão. É a primeira vez na minha vida que tenho vergonha e nojo do governo que tenho. Do Botas nem tinha propriamente a noção do que se passava. Notava a diferença de classes, mas nem os ricos viviam propriamente como ricos, na minha terra. Hoje puseram tudo de pantanas. Eu à fome não vou morrer, mas acho que o Paulo ainda se vai arrepender do que tem defendido. Eu não defendo propriamente a classe privilegiada da TAP, mas são esses os únicos que podem fazer greve, porque os outros precisam do ordenado para comer. E embora as pessoas estejam contra eles, só quem tem força é que poderá modificar este estado de coisas. Houve uma greve de pilotos que só terminou com a interferência do PR. Ramalho Eanes. O blogue não é meu, vou me calar, mas teria muito para dizer.

      Eliminar
  2. Carlos este governo decreta a requisição civil, sem saber se os serviços mínimos são respeitados. E nem os definiu. Que merda de gente!

    ResponderEliminar
  3. O que o governo está a fazer, é ridículo e, segundo alguns juristas, ilegal.
    E a culpa deste estado de coisas é dele, governo, que quis arrastar o assunto da TAP até esta época, sabendo perfeitamente o que iria acontecer.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. No Expresso online de 18/12/2014 sobre a requisição civil vem isto:
      "A requisição civil tem de ser cumprida", afirma ao Expresso o advogado António Vilar, especialista em Direito do Trabalho. Descartando a possibilidade de os sindicatos poderem vir a interpor uma providência cautelar que determine a suspensão da medida, é perentório: "A requisição civil é o último recurso. Não conheço um único caso em que um tribunal tenha dado procedência a uma decisão destas".

      Ler mais: http://expresso.sapo.pt/requisicao-civil-na-tap-em-caso-de-incumprimento-trabalhadores-ficam-sujeitos-a-disciplina-e-a-justica-militar=f903382#ixzz3MO20f8FV

      Ou seja, aqui há opiniões para todos os gostos.
      A mim parece-me que se há o direito á greve, também há o direito à requisição civil.

      Eliminar
    2. Como sempre, as opiniões divergem, mas permite que tome como boa a de Silva Peneda, por ser insuspeito e um do poucos social democratas ainda existentes no PSD a dar a cara. A opinião dele ( sustentada também por vários juristas que já ouvi e li) é que a requisição é ilegal, porque só pode ser feita se falharem os serviços mínimos.

      Eliminar
  4. «O argumento de que está em causa o interesse público é, no mínimo, risível. Então a TAP é de interesse público e o governo vai privatizá-la?»

    Há um evidente interesse público, são as pessoas que só nesta altura do ano e no Verão se conseguem ver, era o turismo próprio da época que iria sofrer um revés brutal em perdas de receitas e até havia o risco de criarmos algum desemprego. Isto para não falarmos da péssima imagem que a TAP iria dar do país, com caos e confusão nos aeroportos. Um país que está em grave situação económica, não me parece que se possa portar desta forma.
    Infelizmente, o que eu vou dizer até pode ser irónico, mas parece-me que só privatizando a TAP é que se consegue defender o interesse público.

    «Se a ideia vingasse, significaria que se teria acabado o direito à greve».

    Não concordo de todo. Já houve pelo menos duas requisições civis envolvendo a TAP, em 1977 e em 1997, e o direito à greve continuou a existir tal como quando foi consagrado.

    «Não vingará e o governo vai sair mal desta situação».

    Não me parece. o governo toma uma posição de força é certo, mas a maioria da população que está farta de greves, aqui vai dar-lhe razão.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Foram os Governos que estragaram a TAP, que lhe tiraram valor para a vender por tuta e meia a amigos e receberem umas brutas luvas. Deixaram um administrador estrangeiro a ganhar fortunas que não renovou a frota e por aí fora...Claro que nas greves de transportes é o mexilhão porque os patrões até já receberam os passes e as subvenções. O Paulo não viveu no tempo em que não havia liberdades, nem se podia abrir a boca e estamos quase nessa situação, além de estarmos na miséria, como nunca estivemos. Volto a pôr este excerto: https://www.youtube.com/watch?v=dAxE9S6Nh2w&feature=youtu.be

      Eliminar