sexta-feira, 12 de dezembro de 2014

Hoje é dia dos Beija- cús (e do jornalismo acéfalo)

Os deputados da AR chumbaram hoje uma proposta de reconhecimento do Estado da Palestina, apresentada pelo PCP e BE.
A maioria e o PS votaram contra tendo, em alternativa, sido aprovada uma proposta apresentada em conjunto por PSD, CDS e PS que propõe que o reconhecimento do Estado da Palestina seja feito em articulação com Bruxelas.
A intervenção do deputado do PS Sérgio Sousa Pinto, no sentido de instar o governo a reconhecer o Estado da Palestina foi um esforço meritório mas, na prática, inconsequente.  O próprio governo, através de Rui Machete, atirou o assunto para as calendas gregas: 
" O governo procurará escolher o momento mais adequado para reconhecer o Estado da Palestina"- disse Rui Machete após a aprovação da recomendação.
Traduzindo: quando ( e se ) Bruxelas decidir reconhecer  o Estado da Palestina, Portugal abanará a cabeça em sinal de concordância. Até lá, fiquem com a satisfação de terem aprovado uma recomendação para a qual o governo se está cagando.
Eu sei que é tempo de a UE ter uma política externa comum, mas o argumento da necessidade de obter o agreement de Bruxelas caiu por terra, no dia em que a Suécia reconheceu o Estado da Palestina. França, Espanha e Inglaterra estão em vias de fazer o mesmo e outros se seguirão, marimbando-se para as decisões que Merkel pretende impor via Bruxelas.
Ficar à espera da luz verde de Berlim Bruxelas é, por isso, apenas um acto de vassalagem perante quem nos trata constantemente abaixo de cão.
Ainda mais descoroçoante do que a aprovação da recomendação, é ler a notícia do DN, instantes depois da votação: Parlamento reconhece Palestina e pressiona governo
Mas que raio de jornalistas são estes que estão no Parlamento? Como é possível noticiar uma coisa exactamente ao contrário do que aconteceu? Se isto acontece quando os jornalistas estão no local a assistir, imagino como será quando escrevem notícias que lhes são ditadas pelas "fontes" via telefone.
Isto pode não ter importância nenhuma, mas é bem revelador do jornalismo que se vai fazendo na  sucursal da S. Caetano à Lapa Av. da Liberdade ( e noutras filiais adjacentes).

4 comentários:

  1. A questão do reconhecimento do Estado da Palestina e a forma como foi tratada pelo governo português, confirmam que andamos atrelados a uma donzela que quer comandar a Europa como se os outros países foissem marionetas.
    Portugal demonstra, uma vez mais, que é uma marioneta de Merkel.

    Sobre o jornalismo que dizem ser feito por jornalistas, assiste-nos o direito de lhes chamar nomes como se não houvesse dia seguinte. Até à exaustão.
    Pela postura que têm mostrado que neste caso concreto atingiu o climax. Digo eu.
    Pensava eu que a sucursal da S. Caetano à Lapa estivesse ali para os lados da Rua José Maria Nicolau. Enganei-me. Ou existem duas filiais, já não digo nada.

    ResponderEliminar
  2. Penso que esses ditos jornalistas , também devem estar mais concentrados na procura de mulheres e homens de peitos generosos Penso que não serão todos heterossexuais...
    Abraço , Carlos Barbosa

    ResponderEliminar
  3. Eu vi a notícia errada na televisão...

    ResponderEliminar
  4. «PSD, CDS e PS que propõe que o reconhecimento do Estado da Palestina seja feito em articulação com Bruxelas».

    Desculpem-me a linguagem, mas: Bardamerda para a articulação com Bruxelas! Somos ou não um país soberano? A nossa política externa também faz parte do memorando da «troika»? Por isso: Vamos é mas é reconhecer o estado palestiniano e deixarmo-nos de tretas.

    ResponderEliminar