quarta-feira, 10 de dezembro de 2014

Animal Farm


Um alapardado coelho, co-proprietário da Quinta Tuga, avacalhou a Comissão de Inquérito ao BES, avisando os cãezinhos amestrados de que não deveriam contrariar as conclusões que ele próprio já tirara.
O mamute, nomeado feitor, foi o primeiro a entrar na Quinta para prometer velar pelo cumprimento das regras mas, de imediato, foi acusado pela cabrinha com cio, de ter relaxado na aplicação das regras e concedido umas baldas a um abutre. Os animais domésticos - e os outros -assistiam com enfado ao cortejo de ratazanas que iam desfilando  pela quinta, contando versões contraditórias dos acontecimentos e culpabilizando o mamute por não ter evitado o desfalque.
Na véspera da chegada do abutre, a galinha louca e as ratazanas - por razões ainda não apuradas- desculpabilizaram o mamute, mas assim que o abutre entrou na quinta apontou o dedo em riste ao mamute, considerando-o o único culpado da catástrofe. 
Indignado, o mamute foi ao cofre e revelou as cartas de amor que tinha trocado com o abutre, esquecendo-se que dias antes justificara a sua não divulgação na Comissão de Inquérito da Quinta, invocando o segredo.
Veio depois um esquilo traquina, amigo do coelho, co-proprietário da Quinta. De dente afiado, trazia como missão perturbar a paz da Quinta, com o ruído característico dos serradores de madeira.  
Entretanto o outro co-proprietário da Quinta, um capão que acredita ser galo, anunciou aos papagaios que iria fazer uma conferência de imprensa para esclarecer a população da Quinta sobre as suas relações com o abutre.
Apesar de estar em viagem de recreio pelo México, o capão que se alimenta de alcagoitas na esperança de um dia vir a  ser galo, não quis deixar de invocar a sua inocência na defesa do abutre, financiador da sua campanha eleitoral para Presidente da Quinta.
O capão, como o mamute, também se recusou a revelar as palavras de amor que trocou com o abutre,por serem confidenciais. Todos esperam que alguém faça disparar o trava línguas do capão porque, apesar de entre animais não haver encornanços, este amor a três em que a figura central é o abutre tem, certamente, muitas cenas picantes.
Muitos dos animais da Quinta sentiram-se tratados como bestas.
Quem anda feliz são os papagaios.Todos os dias têm material aliciante para manchetes escabrosas nos jornais da Quinta.  Fosse devido à diferença horária, ou a outra causa ainda não descortinada, o capão foi mais ou menos ignorado nas primeiras páginas dos jornais, mas será certamente notícia nos próximos dias.
Entretanto, alguns animais fiéis aguardam com ansiedade a missa de domingo, para ouvirem a homilia em que a raposa dê a sua versão dos factos. Sendo perceptível que as homilias dominicais da raposa se tornaram sucessivas tentativas  de assalto ao galinheiro de Belém, fica-se na expectativa de saber se a raposa conseguirá ser suficientemente persuasiva para convencer o coelho,que já manifestou preferir a galinha Santana para guardar o galinheiro de Belém e,eventualmente,derrubar os roseirais que possam florir em S. Bento.
 Entretanto, durante os próximos meses prosseguirá o desfile  com um grupo de  ratos apostados em marcar território.
No final, as conclusões serão as que os animais domésticos quiserem.
E os burros? Continuam a aquecer as palhinhas do presépio?- perguntará algum leitor mais perspicaz.
Os burros? Esses somos nós que, apesar de conhecermos de gingeira o final da história,continuamos a permitir que os porcos tomem conta disto tudo.

5 comentários:

  1. A verdadeira fábula é com animais de selva
    sem a probabilidade de se comerem uns aos outros...

    ResponderEliminar
  2. Brilhante, amigo!!

    Bom dia para ti ...e sem animais.

    ResponderEliminar
  3. A fábula é uma lufada de ar fresco,com a qualidade que a chancela de um homem que Honra o Porto,o Norte e o País,generosamente nos oferece.

    Ouvi falar de um sujeito com assento no parlamento e na comissão de descrédito parlamentar ao caso(caso?)BES,conhecido pelo nome de deputado mastiga,que ontem,mais uma vez,ao que se relata por vários estábulos e estalagens,meteu um nojo de tal ordem pestilento e pegajoso,que o zé maria se viu obrigado a mandar um estafeta com mensagem expressa no sentido de exigir ao mastiga que parasse de lhe fazer sexo oral em plena comissão e com canais de televisão a transmitir em directo.Isto já não é um país,é um imenso bordel!

    ResponderEliminar
  4. Por isso é que o título em português é "O Triunfo dos Porcos"... :P

    Beijocas

    ResponderEliminar
  5. Eu vou mais por Fungagá da Bicharada :)))

    ResponderEliminar